fotografia - ... a fotografia odontológica digital, pela rapidez do resultado e flexibilidade...

Click here to load reader

Post on 07-Mar-2021

1 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Fotografia

    38 Rev Dental Press Estét. 2011 jul-set;8(3):38-46

  • 39Rev Dental Press Estét. 2011 jul-set;8(3):38-46

    Luiz Rafael CALiXTO, ivan YOsHiO, Jorge eusTáquiO, Matheus Coelho BANDÉCA, Marcelo Ferrarezi de ANDRADe

    Protocolo de fotografias odontológicas na comunicação entre CD e TPD em restaurações indiretas

    Protocol of dental photograph for communication between dentist and dental laboratory technician in indirect restorations

    Resumo

    O planejamento estético em dentes anteriores está intima-

    mente ligado a uma cuidadosa análise das desarmonias

    do sorriso do paciente. Dentro desse conceito, a fotografia

    odontológica, feita através de um protocolo padronizado,

    parece ser um auxílio-diagnóstico para uma correta verifica-

    ção desses problemas. Através dessa ferramenta, é possível

    realizar tratamentos personalizados, obtendo, assim, uma

    estética natural e harmoniosa.

    Abstract

    The aesthetic planning in anterior teeth is closely related

    to a careful analysis of the disharmonies of the patient’s

    smile. Within this concept, dental photography, made us-

    ing a standardized protocol, seems to help in the correct

    diagnosis of these problems. Through this tool, you can

    conduct personalized treatments, thus getting a natural

    and harmonious aesthetic.

    Keywords: Photography. Esthetic planning.Palavras-chave: Fotografia. Planejamento estético.

  • Protocolo de fotografias odontológicas na comunicação entre CD e TPD em restaurações indiretas

    40 Rev Dental Press Estét. 2011 jul-set;8(3):38-46

    INTRODUÇÃO

    O sucesso em restaurações indiretas anteriores

    está diretamente ligado à excelência estética — através

    do restabelecimento de forma, cor, contorno e função

    adequados —, obtida pelo alto rigor de confecção das

    peças cerâmicas modernas. Para isso, necessitamos

    da elaboração de um planejamento estético individuali-

    zado, onde são envolvidos todos os fatores funcionais,

    biológicos e estéticos. Assim, para que possamos de-

    volver de forma adequada um sorriso harmonioso ao

    paciente, é fundamental que seja executado um minu-

    cioso exame clínico integrado a radiografias, fotogra-

    fias e modelos de estudo.

    O maior parceiro do cirurgião-dentista (CD) no restabe-

    lecimento da estética ao paciente é o técnico em prótese

    dentária (TPD). Porém, para que a relação CD x TPD seja

    de paz, e não de guerra, devemos fornecer ao técnico

    um conjunto de informações fundamentais para a correta

    execução do trabalho. Dentre essas informações estão as

    fotografias odontológicas intra e extrabucais, que, quando

    corretamente executadas, possibilitam ao técnico visua-

    lizar a integração entre dentes, tecido gengival, lábios e

    face, além de alinhamento, caracterizações, regiões de

    opalescência, bandas, mamelos e pigmentações. Os an-

    seios e expectativas dos pacientes devem ser levados em

    consideração e também transmitidos ao técnico. Com

    isso, diminuímos a possibilidade de uma frustrante, em-

    baraçosa e cara repetição de trabalho protético.

    A fotografia odontológica digital, pela rapidez do

    resultado e flexibilidade no tratamento da imagem, é

    uma valiosa ferramenta para o exercício da Odonto-

    logia Estética1.

    Atualmente, com a evolução das câmeras digitais,

    essa etapa está bastante facilitada, pois permite a vi-

    sualização e veiculação quase imediata das imagens

    registradas. No entanto, são necessárias objetividade

    e padronização do número e ângulo das fotografias,

    a fim de realizar somente o registro das imagens que

    realmente serão aproveitadas2.

    Assim, o objetivo deste trabalho é sugerir um proto-

    colo de fotografias odontológicas para análise estética

    do paciente, enfatizando a importância de cada uma

    delas nas restaurações indiretas anteriores.

    REVISÃO DA LITERATURA

    A reconstrução de um sorriso deve observar e

    obedecer aos princípios estéticos de composição,

    unidade, simetria, proporção, razão repetida, equilí-

    brio e linhas3.

    De acordo com Fradeani4, numa reabilitação an-

    terior, deve-se verificar os seguintes parâmetros

    estéticos:

    • Linhas de referência facial.

    • Exposição dentária em repouso.

    • Exposição dentária durante o sorriso.

    • Posição da borda incisal em relação ao lábio

    inferior.

    • Tamanho, harmonia e proporção dentária.

    • Cor e textura de superfície.

    A partir desses conceitos, uma sequência fotográfi-

    ca pode ser definida, onde em cada tomada fotográfi-

    ca possam ser observados alguns desses parâmetros

    estéticos. Além disso, uma análise da cor dos dentes e

    do remanescente após os preparos também pode ser

    padronizada através de fotografias. Assim, podemos

    dividir o protocolo de imagens em:

    1. Fotografias para diagnóstico e análise estética.

    2. Fotografias para tomada de cor dos dentes e

    substrato.

    Fotografias para diagnóstico e

    análise estética

    Para diagnóstico do caso e uma completa análise

    estética do paciente, podemos sugerir as seguintes to-

    madas fotográficas:

    • Fotografia de face em sorriso (Fig. 1).

    • Fotografia de face em perfil sorrindo (Fig. 2).

    • Fotografia aproximada do sorriso (Fig. 3).

  • Calixto LR, Yoshio I, Eustáquio J, Bandéca MC, Andrade MF

    41Rev Dental Press Estét. 2011 jul-set;8(3):38-46

    Figura 1 - Fotografia de face em sorriso.

    Figura 3 - Fotografia aproximada do sorriso. Figura 4 - Fotografia aproximada com lábio em repouso.

    Figura 2 - Fotografia de face em perfil sorrindo.

    • Fotografia aproximada com lábio em repouso

    (Fig. 4).

    • Fotografia intrabucal em oclusão - frontal (Fig. 5).

    • Fotografia intrabucal em oclusão - perfil (Fig. 6).

    • Fotografia aproximada dos dentes anteriores

    com fundo preto (Fig. 7).

  • Protocolo de fotografias odontológicas na comunicação entre CD e TPD em restaurações indiretas

    42 Rev Dental Press Estét. 2011 jul-set;8(3):38-46

    Figura 5 - Fotografia intrabucal em oclusão – frontal.

    Figura 7 - Fotografia aproximada dos dentes anteriores com fundo preto.

    Figura 6 - Fotografia intrabucal em oclusão – perfil.

    Face em sorriso

    De acordo com Rufenacht3, o exame do indivíduo,

    incluindo a análise da posição dos olhos, nariz, men-

    to e lábios, permite a identificação de pontos e linhas

    de referência que são indispensáveis na reabilitação

    estética. O paralelismo entre o plano oclusoincisal, o

    contorno gengival e as linhas de referência horizontais

    é um fator determinante na criação de um sorriso har-

    monioso agradável. São responsáveis pelo aspecto

    facial da dimensão vertical do paciente.

    O parâmetro mais útil na determinação do plano in-

    cisal e contorno gengival é a linha bipupilar paralela ao

    plano incisal4.

    A análise estética, durante o sorriso, permite avaliar o

    alinhamento das linhas médias dentária e facial, a inclina-

    ção do sorriso, o centro do sorriso, o tipo de musculatura

    predominante, a curvatura incisal, o corredor bucal e a ex-

    posição gengival, além dos fatores estéticos dentários, os

    quais determinam o grau de atratividade de um sorriso5.

    A linha interincisal deve coincidir com a linha média

    facial (linha traçada entre os pontos glabela, ponta do

    nariz e ponta do mento) ou o centro do lábio superior

    (filtro labial). Idealmente, essa variação entre as duas

    linhas não deve exceder mais que 2mm, para não cau-

    sar uma aparência desagradável no sorriso6.

    Face em perfil sorrindo

    Essa tomada fotográfica permite a avaliação do

    perfil do paciente, inclinação dentária, suporte labial e

    a altura do lábio.

    Nessa análise de perfil, deve-se verificar a posição

    da borda incisal na direção anteroposterior. Idealmente,

    deve estar posicionada dentro da borda interna do lábio

    inferior (transição entre o “lábio seco” e o “lábio molha-

    do”). Uma má posição desses incisivos pode gerar uma

    dificuldade no adequado fechamento dos lábios5.

    Aproximada do sorriso

    Através dessa imagem podemos analisar a relação

    da borda dos incisivos com o lábio inferior, altura e lar-

    gura do sorriso e corredor bucal.

  • Calixto LR, Yoshio I, Eustáquio J, Bandéca MC, Andrade MF

    43Rev Dental Press Estét. 2011 jul-set;8(3):38-46

    O plano incisal dos dentes anterossuperiores, quan-

    do vistos frontalmente, deve apresentar, idealmente,

    uma curvatura convexa coincidindo com a curvatura

    do lábio inferior7. A curva incisal plana ou reversa pode

    gerar um efeito esteticamente desagradável.

    Em uma vista frontal e com o paciente sorrindo,

    esse parâmetro tem como obj