overlord volume 1.pdf

Author: gerson-ramos-rodrigues

Post on 21-Feb-2018

226 views

Category:

Documents


0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    1/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 1

    Volume 1

    PrlogoCaptulo 1 O fim e o comeo

    Captulo 2 Guardies dos Andares

    Captulo 3 A batalha do Vilarejo

    de Carne

    Captulo 4 Conflito

    Captulo 5 Soberano da Morte

    Eplogo

    Notas do Autor e Ilustraes

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    2/217

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    3/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 3

    *Plimmmmmm*

    Algo caiu da escurido.

    No instante em que ela percebeu o que era

    Oiii!

    A garota soltou um grito agudo.

    Uma existncia que nenhum mortal jamais poderia superar.

    Orbes vermelhas balanavam como chamas turvas dentro do vazio do crnio branco.

    Conforme ele olhava para as duas garotas, elas sentiram que ele estava as encarando

    friamente como se fossem suas presas. Em suas mos, desprovidas de carne e pele, havia um

    sagrado, mas assustador, cajado de uma beleza soberana.

    Era como se a prpria morte, envolto de um ornamento, um traje do mais profundo preto,

    tivesse nascido neste mundo com as trevas de um outro mundo.

    O ar congelou em um piscar de olhos.

    Era como se o prprio tempo houvesse congelado antes do advento de um ser absoluto.

    A garota havia esquecido de respirar, como se sua alma tivesse sido roubada.

    Nesta situao, onde todo o sentido de tempo parecia ter desaparecido, a garota comeou a

    hiperventilar, como se estivesse faltando ar.

    O Ceifador veio do submundo para me levar embora.

    Foi isso que a garota pensou, mas logo ela sentiu que estava errada. O cavaleiro que estava

    atrs delas havia parado de se mover tambm.

    Urghh...

    Um quieto choro foi ouvido.

    De quem poderia ter sido? Parece que poderia ter sido de si mesma, ou de sua irm pequena

    que estava tremendo, ou tambm do cavaleiro com sua espada levantada diante de seus olhos.

    Muito lentamente, seus dedos, destitudos de carne e com apenas seus ossos, estendeu a mo

    e apontou no s meninas, mas ao cavaleiro, como se estivesse pegando algo.

    Ela queria parar de olhar, mas ela estava muito assustada para isso. Ela sentiu que presenciaria

    algo muito mais aterrorizador se tentasse desviar o olhar.

    A morte encarnada fechou a mo, e um alto rudo metlico soou bem ao lado da garota.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    4/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 4

    Ela estava com medo de afastar os olhos para a Morte, mas impulsionada pela pequena

    curiosidade em seu corao, ela moveu os olhos e viu o cavaleiro no cho. Ele no estava mais

    se movendo.

    Ele estava morto.

    Sim, morto.

    O risco de vida que estava prximo das garotas desapareceu como se tivesse sido tudo uma

    piada. No entanto, ela no poderia se alegrar pois a Morte mudou sua forma e se manifestou

    em uma forma mais evidente.

    Recebendo o olhar assustado da garota, a Morte foi em direo a garota.

    A escurido reunida no centro de sua viso aumentou.

    Ele vai me pegar.

    Pensando nisso, a garota abraou fortemente sua irm.

    O pensamento de escapar nem sequer passou por sua cabea.

    Se o adversrio fosse um ser humano, ela poderia tomar alguma atitude com alguma

    esperana. Mas a coisa diante de seus olhos era uma existncia que facilmente impedia essa

    noo.

    Por favor, ao menos d-me uma morte indolor.

    Rezar era tudo que ela podia fazer.

    Sua irm pequena estava agarrada a sua cintura, tremendo de medo. Ela queria salv-la, mas

    no podia. Ela apenas podia se desculpar por sua falta de poder. Ela simplesmente rezou para

    que ela no se sentisse sozinha, pois ela estava indo com ela.

    E ento

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    5/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 5

    Captulo 1 O fim e o comeo

    Era o ano 2138 d.C, e o termo DMMO-RPG no apenas existia, mas estava se tornando mais

    comum.

    Sendo o acrnimo para 1, descrevia

    um jogo interativo onde algum era capaz de jogar em um mundo virtual como se ele fosse

    real, conectando um console especfico nanointerface de neurniosuma rede intracerebral

    de nanocomputador construdo pela quintessncia da ciberntica e nanotecnologia.

    Era como se voc tivesse realmente entrado no jogo.

    Em meio a uma infinidade de DMMO-RPGs que foram desenvolvidos, houve um que fez um

    sucesso brilhante.

    Yggdrasil.

    Foi um jogo que um desenvolvedor japons conceituado lanou h 12 anos, no ano de 2126.

    No importa com qual DMMO-RPG ele era comparado, Yggdrasil era o jogo que oferecia uma

    liberdade imensa aos jogadores.

    O nmero de classes que formava a base do jogo superava facilmente a casa dos 2000 quando

    somava-se as classes normais e de alto nvel.

    Todas as classes tinham um nvel mximo de 15, significando que um jogador teria que ter ao

    menos 7 classes ou mais para alcanar o level mximo, que 100.

    Alm disso, voc era capaz de simplesmente experimentar vrias classes, desde que

    completava as condies. Embora seja ineficiente, voc poderia ter 100 classes no level um, se

    quisesse.

    Em outras palavras, era um sistema onde seria impossvel se ter personagens completamente

    idnticos, a menos que voc o fizesse idntico propositalmente.

    Esse nvel de liberdade tambm se aplicava aos visuais. Se voc usasse as ferramentas de

    criador que eram vendidas separadamente, voc era capaz de alterar aparncias de armas earmaduras, dados interiores, visuais de personagens, e configuraes detalhadas da casa de

    um jogador.

    O que aguardava os jogadores que partiram para um mundo assim era um mapa colossal. Com

    nove terras natais, consistindo em Asgard, Alfheim, Vanaheim, Nidavellir, Midgard, Jotunheim,

    Nilfheim, Helheim e Muspelheim.

    Um vasto mundo, inmeras classes, e visuais completamente customizveis.

    1MMORPG Imersivo

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    6/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 6

    Havia acendido o esprito de arteses dos jogadores japoneses e causou um fenmeno que

    seria conhecido mais tarde como popularidade visual.

    Com tal popularidade explosiva por trs dele, alcanou um nvel de aclamao onde Yggdrasil e

    DMMO-RPG eram considerados a mesma coisa no Japo.

    No entanto, essa uma histria da generao passada.

    *

    Uma grande mesa redonda de brilho obsidiano estava no centro da Sala da Guilda, cercada por

    41 luxuosos assentos.

    Mas a maioria deles estavam vagos.

    Apenas duas silhuetas eram visveis agora onde todos os membros antigamente se reuniam.

    Um deles vestia um elaborado traje do mais profundo preto decorado com bordas de ouro e

    violeta. Os adornos em torno de seu pescoo pareciam de algum jeito excessivos, mas,

    estranhamente, lhe caa muito bem.

    Contudo, a cabea que deveria estar em cima do luxuoso colarinho no era nada mais do que

    um crnio, desprovido de pele e carne. Havia um brilho vermelho escuro dentro de suas

    cavidades oculares, e um objeto escuro como uma aurola brilhava por trs de sua cabea.

    O outro indivduo que estava em outro assento no era humano, tambm. Era um montante

    de gosma preta. Sua superfcie, reminiscente de de alcatro de carvo, tremia e nunca

    mantinha uma forma consistente, nem mesmo por um segundo.

    O primeiro era um Overlord que se classificou no topo, mesmo entre os Elder LichesMagos

    que se tornaram inumanos em posse da magia suprema. O outro era Elder Black Ooze, uma

    raa com poderosas habilidades cidas que estava entre os tipos de gosmas mais fortes.

    No entanto, eles no eram monstros.

    Eram personagens dos jogadores.

    As raas selecionveis em Yggdrasil foram divididas em trs categorias diversas: clssica, com

    raas humanoides como humanos, anes e elfos; semi-humanos com aparncias horrveiscomo goblins, orcs e ogros, favorecidos por sua fora fsica; e as raas heteromrficas que

    possiam habilidades de monstros e mais status do que outras raas, mas eram restringidos

    em vrios aspectos. Se voc incluir as raas de alto nvel para essas trs categorias, o nmero

    de todas as raas alcanavam o total de 700.

    claro, Overlord e Elder Black Ooze eram umas das raas heteromrficas de alto nvel que os

    jogadores eram capazes de escolher.

    Entre essas duas pessoas, o Overlord falou sem mover sua boca. Apesar de ser o top DMMO-

    RPG da gerao interior, era tecnologicamente impossvel fazer as expresses mudarem com

    a fala.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    7/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 7

    Wow, j faz um bom tempo, Meromero-sama. Mesmo esse sendo o ltimo dia de Yggdrasil,

    eu no esperava que algum aparacesse.

    Euconcordo. Faz muito tempo, Momonga-sama.

    O Elder Black Ooze respondeu com uma voz de um homem adulto, mas em comparao a deOverlord, no havia nenhum trao do que poderia ser chamado de vigor ou vivacidade.

    Essa a primeira vez desde que mudou de emprego na vida real, ento, faz quanto tempo? ...

    Tipo uns dois anos?

    Ah por a. Wow~ Faz bastante tempo mesmo... Oh garoto, meu sentido de tempo est

    louco porque estive fazendo muitas horas extras noturnas ultimamente.

    Isso no um sintoma perigoso? Voc est bem?

    Fisicamente? Estou acabado. No o bastante para visitar um mdico, mas estou quase nolimite. Eu realmente quero fugir. Mas ainda tenho que ganhar dinheiro para as despesas,

    ento estou trabalhando para a minha querida vida enquanto sou chicoteado como um

    escravo.

    Uau...

    O OverlordMomonga inclinou a cabea para trs e fez um gesto de irritado.

    Realmente, insuportvel.

    A voz sombria de Meromero, carregada com um incrvel senso de realidade, voou para

    Momonga como se para acertar um combo.{revisar}

    Sua queixa em relao ao trabalho na vida real acelerou ainda mais.

    Histrias sobre subordinados imprudentes, planos que foram completamente alterados

    durante a noite, crticas do superior por ele falhar em atingir as metas, dias virando a noite por

    causa de uma porrada de trabalho, aumento de peso por causa de seu arruinado biorritmo, o

    aumento de nmero das drogas a cada dia.

    Eventualmente, a conversa tornou-se a apenas um lado assim que Meromero explodiu como

    uma represa quebrada.

    H um monte de pessoas que evitam falar sobre a realidade no mundo virtual. O sentimento

    de no querer trazer o mundo real para o virtual era entendvel.

    No entanto, essas duas pessoas no pensavam dessa forma.

    A guilda um time formado, organizado e operado por uma assemblia de jogadores a que

    eles pertenciam, Ainz Ooal Gown, possua duas regras para o ingresso.

    Primeiro, voc deveria ser um membro da sociedade. Segundo, voc deveria ser de uma raa

    heteromrfica.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    8/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 8

    Devido natureza da guilda, havia muitos casos em que reclamaes sobre o trabalho na vida

    real se tornavam o tpico, e isso era aceito pelos membros da guilda. Poderia ser dito que a

    conversa que esses dois esto tendo era uma cena do cotidiano em Ainz Ooal Gown.

    Aps uma boa quantidade de tempo ter passado, as palavras de reclamaes de Meromero

    chegaram a um impasse.

    ...Eu sinto muito por minhas queixas interminveis. Eu no consigo muitas chances para

    desabafar no outro lado.

    Meromero mexeu o que parecia ser sua cabea, como a se curvar. Em resposta, Momonga

    rapidamente respondeu.

    Tudo bem, Meromero-sama. Fui eu quem pediu que viesse, mesmo que estivesse exausto.

    Comparado a antes, um leve riso com um pouco mais de vigor foi ouvido de Meromero.

    Muito obrigado, Momonga-sama. Estou feliz por ter logado e ter te encontrado.

    Fico feliz em ouvir isso.

    ... Mas sinto que est na hora de eu...

    O tentculo de Meromero moveu-se ao ar como se para tocar algo. Ele estava operando seu

    console.

    Ah, sim, tem razo. Est ficando tarde.

    Desculpe, Momonga-sama.

    Momonga suspirou baixinho para escoder as emooes que ascendiam dentro dele.

    Entendo. uma pena... Honestamente, bons momentos voam to rpido.

    Eu realmente queria estar com voc at o final, mas estou exausto.

    Voc deve estar desgastado. Por favor, deslogue e v descansar.

    Eu realmente sinto muito... Momon- no, Mestre da Guilda, o que voc ir fazer?

    Estou pensando em ficar online at que eu seja disconectado quando o servidor desligar.

    Ainda h algum tempo... quem sabe alguma outra pessoa aparea.

    mesmo... Francamente, eu no esperava que esse lugar ainda existisse.

    Nesse momento, o fato de no poder mostrar expresses faciais foi uma boa coisa. Porque se

    pudesse, algum teria visto sua careta em um nico olhar. Momonga fechou sua boca para

    suprimir a sbita onda de emoes, j que elas seriam reveladas em sua voz.

    Ele desesperadamente manteu a guilda porque eles a haviam criado juntos, ento era apenas

    natural para ele ser sobrecarregado com sentimentos indescritveis quando tais palavras foram

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    9/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 9

    ditas por um de seus companheiros. Mas esses sentimentos foram dissipados pelo o que

    Meromero disse em seguida.

    Como Mestre da Guilda, voc manteu esse lugar para que ns pudssemos retornar a

    qualquer hora. Obrigado.

    ...Todos ns criamos esse lugar juntos. o dever do Mestre de Guilda mant-lo e

    supervision-lo para que qualquer um possa voltar quando quiser!

    Foi graas a voc que fomos capazes de aproveitar esse jogo ao mximo. ...Da prxima vez

    que nos encontrarmos, seria timo se fosse em Yggdrasil II.

    Eu ouvi rumores sobre uma continuao... espero realmente que tenha.

    Vamos nos encontrar novamente quando essa horar chegar! Bem ento, estou me sentindo

    bem sonolento agora, ento vou deslogar... Estou feliz que pude encontr-lo antes do final.

    Tenha um bom jogo.

    ...

    Por um momento, Momonga foi deixado sem palavras; no entanto, ele deu suas palavras finais

    imediatamente.

    Eu tambm tive um bom jogo graas a vocs. Tenha um bom jogo.

    Um emoticon sorridente apareceu acima da cabea de Meromero com um brilho. Como no

    havia possibilidade de mudar expresses faciais em Yggdrasil, os jogadores utilizavam

    emoticons para expressar suas emoes. Momonga operou seu console e selecionou o mesmoemoticon.

    Em seguida, as ltimas palavras de Meromero foram ouvidas.

    Vamos nos encontrar novamente em um outro lugar.

    O ltimo membro dos trs que apareceram hoje desapareceu.

    Apagando todos os vestgios, o silncio retornou Sala da Guilda. Um silncio desprovido de

    memrias e emoes.

    Olhando para a cadeira onde Meromero estava sentado h alguns segundos, Momonga cuspiu

    as palavras que ele ia dizer no final.

    Enquanto eu entendo que voc est cansando, j que hoje o ltimo dia para o jogo e voc j

    est aqui, por que no fica at o final?

    claro, no houve resposta. Meromero j deslogou para o mundo real.

    Haah...

    Momonga soltou um suspiro profundo de seu corao.

    Ele no poderia dizer isso.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    10/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 10

    O fato de Meromero estar sempre cansado estava suficientemente evidente pelo modo de sua

    breve conversa. Mas Meromero viu o e-mail que ele enviu e apareceu hoje, para o ltimo dia

    em Yggdrasil. Ele deveria estar grato apenas por isso. Querer mais do que isso iria alm de ser

    sem-vergonha para ser um incmodo.

    Momonga olhou fixamente para o assento onde Meromero estava, e ento olhou ao redor. Oque ele viu foram as 39 cadeiras onde seus antigos companheiros costumavam sentar. Aps a

    rpida olhada ao redor, seus olhos voltaram-se para onde Meromero estava sentado.

    Vamos nos encontrar de novo em um outro lugar...

    Vamos nos encontrar novamente, algum dia.

    Te vejo por a.

    Ele havia ouvido tais frases uma aps a outra. Mas a hora deles cumprirem suas palavras

    nunca chegou.

    Ningum retornou para Yggdrasil.

    Onde e quando nos encontraremos novamente...?

    Os ombros de Momonga tremeram muito. Ento seus verdadeiros sentimentos que ele estava

    guardando por um bom tempo explodiram.

    No brinque comigo!

    Com um furioso grito, ele bateu as mos na mesa. Tendo julgado a ao como um ataque, o

    sistema calculou as incontveis variveis sobre o dano das mos nuas de Momonga e a defesa

    estrutural da mesa, e mostrou o resultado onde Momonga acertou sendo o resultado 0.

    Esse lugar a Grande Tumba de Nazarick que todos ns contrumos juntos! Como podem

    desistir to facilmente?!

    O que se seguiu aps sua fria foi desolao.

    ...No, no isso. Eles no desistiram. Eles simplesmente tiveram que escolher entre

    realidade e fantasia. Ah, no tinha como, e no houve traio. Deve ter sido uma escolha

    difcil para eles...

    Momonga murmurou como se para convencer a si mesmo, e levantou-se de seu assento. Ele

    andou em direo a uma parede com um nico cajado pendurado nela.

    Tendo o caduceu do deus grego, Hermes, como inspirao, o cajado era entrelaado por sete

    serpentes. Cada uma das bocas das serpentes possua uma jia de uma cor diferente. Sua

    aderncia tinha uma qualidade transparente como cristal, e estava emitindo uma luz branca

    azulada.

    O cajado de qualidade suprema era uma arma da guilda que cada guild pode possuir apenas

    uma, e era um item que poderia ser dito como o smbolo de Ainz Ooal Gown.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    11/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 11

    A ideia seria os Mestres de Guilda carregarem-as, ento por que ela estava na parede como

    decorao?

    Porque o cajado era uma existncia que simbolizava a guilda.

    A destruio da arma da guilda significava a dissoluo da guilda. por isso que armas daguilda eram guardadas nos locais mais seguros na maioria dos casos, com suas poderosas

    habilidades sem nunca terem visto a luz do dia. Mesmo uma guilda de destaque como Ainz

    Ooal Gown no era exceo. Por essa razo, o cajado nunca foi entregue a Momonga, apesar

    de ter sido feito por ele, e foi adornado parede.

    Momonga estendeu a mo para o cajado, mas ele parou no meio. Nesse momento, mesmo

    que o servidor de Yggdrasil estivesse prestes a desligar, ele sentiu hesitao sobre depreciar as

    gloriosas memrias que fizeram juntos.

    Os dias que eles passaram juntos repetidamente para criar a arma da guilda.

    Aqueles velhos e bons tempos de diviso de equipes reunindo materias, como se fosse um

    concurso, discutindo sobre como deveria ser a aparncia, e combinando as sugestes de todos

    e fazendo-a pouco a pouco.

    Eram os dias de glria de Ainz Ooal Gown os tempos de glria.

    Havia pessoas que chegariam at a esforar o corpo sobrecarregado para aparecer. Houve at

    uma pessoa que apareceu aps uma grande briga com sua esposa devido a ele negligenciar

    tempo famlia. Houve at uma pessoa que riu, dizendo que recebeu licena remunerada.

    Houve tempos onde eles passavam o dia inteiro conversando, se animando com histrias sem

    sentido. Houve dias em que eles planejavam suas aventuras e pegavam tesouros. Houve

    tempos onde eles iam em raids e capturavam castelos de guildas inimigas. Houve dias em que

    eles destruam todos os bosses escondidos que poderiam encontrar. Eles encontraram

    inmeros recursos no descobertos antes. Eles colocaram vrios monstros em suas bases e

    derrotaram jogadores invasores.

    Mas agora no havia ningum.

    37 de 41 pessoas saram, e embora os trs remanescentes permaneceram na guilda,

    Momonga no conseguia se lembrar da ltima vez em que se encontraram, com exceo dehoje.

    Momonga abriu o console e acessou os dados oficiais, onde ele procurou o ranking de guildas.

    Certa vez eles estavam Rank 9 entre pouco mais de 800 guildas, mas agora eles caram para

    Rank 29. Ainda assim, no est to ruim em comparao a quando estavam na pior e

    estiveram no Rank 48.

    A razo pela qual a aliana foi capaz de manter sua classificao no era devido s proezas de

    Momonga, ams graas aos itens deixados para trs por seus antigos companheirosas

    relquias do passado.

    Apesar de ser uma guilda em runas agora, houve um tempo em que eles brilharam.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    12/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 12

    O fruto desses tempos.

    A arma da guilda: o Cajado de Ainz Ooal Gown.

    Momonga no queria trazer a arma preenchida com suas gloriosas memrias a esse tempo de

    runas; no entanto, um sentimento contrrio ascendeu dentro dele.

    Todo esse tempo, Momonga acreditava no voto majoritrio.

    Embora ele estava na posio de Mestre da Guilda, o que ele realmente fazia era trabalho

    variado, como entrar em contato com as pessoas.

    por isso que, neste momento em que no havia ningum, ele pensou em usar sua autoridade

    como Mestre da Guilda pela primeira vez.

    Essa roupa no tem ostentao o suficiente.

    Resmugando para si mesmo, Momonga comeou a operar seu console para equipar seu avatar

    com equipamentos condizentes com sua posio como proeminente Mestre da Guilda.

    Equipamentos em Yggdrasil eram classificados de acordo com seu tamanho de dados. Quanto

    maiores forem os dados, maior a classe da arma. Comeando de baixo, as classes eram:

    Inferior, Menor, Mdia, Grande, Superior, Raras, Relquias, e Lendria. Mas agora, Momonga

    estava armado at os dentes com a maior de todas elas- Divina

    Em seus dedos desprovidos de carne estavam nove anis, cada um imbudo de poderes

    diferentes. Alm disso, seu colar, luva, botas, manto eram todos da classe Divina. Apenas seus

    preos, cada um deles eram obras-primas de um imenso valor.

    Um brilhante traje pendiam nas ombreiras, e uma aura vermelha subia de seus ps. Embora a

    aura fosse turbulenta e sinistra, no era habilidade de Momonga. Ele simplesmente embutiu o

    efeito aura catica no manto, j que ainda sobrava espao em sua capacidade de dados

    visuais. Toc-la no causava dano algum.

    Numerosos cones apareceram no canto do campo de viso de Momonga, indicando que suas

    habilidades aumentaram.

    Tendo mudado seu equipamento e se armado da cabea aos ps, Momonga assentiu comsatisfao com o seu equipamento condizente a um Mestre de Guilda. Ento ele estendeu as

    mos e pegou o Cajado de Ainz Ooal Gown.

    No momento em que ele segurou o cajado em suas mos, o cajado soltou um vrtice de aura

    vermelha escuro. Algumas vezes formava o rosto de um humano em agonia e sumia. Era to

    vvido que sentia como se pudesse ouvir suas vozes em dor.

    ...detalhes doentes.

    O cajado supremo que ele nunca empunhou antes finalmente est nas mos de seu

    verdadeiro dono com o fim de Yggdrasil logo em frente.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    13/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 13

    Vendo os cones indicando um drstico aumento em seus status novamente, ele sentiu uma

    ligeira solido.

    Devemos ir andando, smbolo da nossa guilda? No, isso noVamos, smbolo da nossa

    guilda.

    Parte 2

    Momonga deixou a sala chamada de Tvola Redonda.

    Todo membro da guilda que estivesse com o anel da guilda logaria automaticamente nessa

    sala, a no ser que houvessem circunstncias especiais. Se outros membros estivessem

    voltando, eles com certeza apareceriam. Contudo, Momonga sabia muito bem que os outros

    membros no mais voltariam para c. Durante os ltimos momentos do Grandioso Tmulo

    Subterrneo de Nazarick, somente Momonga restava.

    Reprimindo suas emoes turbulentas, Momonga silenciosamente entrou em uma sala de

    estar. Um mundo de grandeza e brilhante, remanescente de um gigante castelo vestido de

    mrmore.

    Suspendido no teto, candelabros bem posicionados eram vistos emitindo um suave, quente

    brilho. O cho liso do amplo corredor refletia as luzes dos candelabros acima, brilhando

    luminosamente como um mosaico de estrelas brilhantes. Se as portas do corredor estivessem

    abertas, os mveis luxuosos de dentro dos quartos atrairia o olhar de muitos.

    Se jogadores que ouviram o nome Nazarick viessem para c, eles com certeza estariam

    atordoados pelo fato de que tamanha bela vista existia em um lugar conhecido por sua infmia.

    Afinal, o Grandioso Tmulo Subterrneo de Nazarick venceu a maior ofensiva militar

    organizada na histria do servidor. Uma aliana de oito guildas, afiliados de guildas,

    mercenrios e NPCs mercenrios, totalizando quinhentas pessoas, tentaram invadir esse lugar

    e foram aniquilados. Aquele evento tornou esse local em uma lenda.

    O Grandioso Tmulo Subterrneo de Nazarick antigamente s tinha 6 pisos, mas ele passou

    por grandes reformas depois de ser ocupado pela Ainz Ooal Gown. Agora ele tinha 10 pisos,

    cada um com suas prprias caractersticas.

    Piso 1~3 ------- Catacumbas

    Piso 4 ------- Lago Subterrneo

    Piso 5 ------- Geleira

    Piso 6 ------- Floresta

    Piso 7 ------ Vulco Subterrneo

    Piso 8 ------ Selva

    Piso 9 ------ Sute Real

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    14/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 14

    Piso 10 ------ Sala do Trono

    Os dois ltimos pisos eram a base da Ainz Ooal Gown, umas das top 10 guildas em Yggdrasil.

    Os passos de Momonga ecoaram pela passagem da Sute Real, seguidos pelas batidas de seu

    cajado. Depois de algumas voltas pelos corredores do largo corredor, Momonga viu umamulher distante, vindo em sua direo.

    Ela tinha um delicioso cabelo loiro at os ombros e caractersticas bem definidas.

    Ela estava usando um uniforme de empregada, inclusive um grande avental e longa saia. Com

    uma altura em torno de 170 centmetros, ela tinha um corpo magro com peitos cheios que

    ameaavam sair de suas roupas. No geral, ela passava uma pura e elegante impresso.

    Conforme os dois se aproximavam, a empregada se moveu para o lado e se curvou

    profundamente para Momonga. Em resposta, ele levemente levantou sua mo.

    A expresso da empregada no mudou; seu rosto continha a mesma expresso sisuda de antes.

    Expresses faciais no mudaram em Yggdrasil. Contudo, havia uma diferena entre as

    expresses imutveis dos jogadores e dessa empregada. A empregada era um Non-Player

    Character (NPC). No jogo, essas inteligncias artificiais s se moviam de acordo com sua

    programao. Em outras palavras, eram a mesma coisa que manequins que se moviam, e at

    mesmo o ato de se curar para Momonga era uma ao pr-programada.

    Sua saudao de antes poderia ser vista como perda de tempo, mas Momonga tinha uma

    razo para trata-los com respeito.

    Todas as 41 empregadas NPC trabalhando no Grandioso Tmulo Subterrneo de Nazarick

    eram baseadas em diferentes ilustraes de um membro da guilda, que vivia de sua arte e que

    agora era um artista de um mang mensal em uma revista de mangs.

    Momonga encarou no s a aparncia da empregada, mas tambm seu uniforme

    surpreendentemente elaborado. Especialmente o bordado requintado no avental que era

    sujeito de admirao.

    J que tinha sido ilustrado por uma pessoa que dizia que a melhor arma de uma empregada

    seu uniforme, o nvel de detalhamento na roupa era muito acima do normal. Momonga no

    conseguia sentir outra coisa seno nostalgia quando ele se lembrou de como o membro daguilda que era responsvel pela renderizao visual comeava a gritar na tarefa.

    Ah... Certo. Desde aquilo, ele estava sempre dizendo coisas como Uniformes de

    empregadas so justia! ... Falando nisso, a herona do mang que ele estava desenhando

    tambm uma empregada. Voc ainda est fazendo seus assistentes chorarem por causa de

    sua ateno excessiva aos detalhes, Whitebrim-san?

    Quanto a sua programao de comportamento, tinha sido criada pelo Meromero-san e cinco

    outros programadores.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    15/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 15

    Em outras palavras, essa empregada foi criada do trabalho duro e conjunto dos antigos

    membros da guilda, ento ignor-la estava fora de questo, assim como o Cajado de Ainz Ooal

    Gown, ela tambm fazia parte de suas preciosas memrias.

    Enquanto Momonga pensava nessas coisas, a empregada inclinou sua cabea como se fosse

    perguntar qual o problema. Enquanto algum estivesse perto dela por um tempo, aempregada automaticamente adotava essa postura. Relembrando em suas memrias,

    Momonga estava impressionado pela ateno meticulosa aos detalhes do Meromero. Deve

    haver outras posturas escondidas programadas tambm. Embora ele quisesse ver todas as

    posturas, no havia muito tempo sobrando.

    Os olhos de Momonga se viraram para o holograma semiesfrico do relgio no seu pulso

    esquerdo e confirmou as horas.

    Sem dvidas, no havia tempo para ficar parado.

    Obrigado pelo seu trabalho duro.

    Momonga disse essa frase de adeus cheio de vrios sentimentos e passou pela empregada.

    claro, a empregada no respondeu. No obstante, Momonga acreditava que um adeus era

    necessrio j que era o ltimo dia.

    Deixando a empregada para trs, Momonga prosseguiu.

    Pouco tempo depois, uma grande escadaria com um luxuoso carpete vermelho cobrindo o

    meio apareceu diante dele. Momonga lentamente desceu as escadas e chegou ao dcimo piso

    ---- o andar mais baixo do Grandioso Tmulo Subterrneo de Nazarick.

    O lugar no qual ele chegou era um vasto lobby aberto com alguns servos esperando por ele.

    O primeiro servo que chamou sua ateno era um velho mordomo impecavelmente vestido

    em seu uniforme tradicional.

    Seu cabelo era completamente branco, assim como sua barba perfeita. Mas as costas do velho

    eram retas como uma flecha e fortes como uma espada de ao. Ele tinha rugas claramente

    visveis em seu rosto profundo, o que o fazia parecer gentil de aparncia, mas seus olhos eram

    afiados como de uma guia perseguindo sua presa.

    Seguindo o mordomo como sombras, haviam seis empregadas. Contudo, seus equipamentos

    eram totalmente diferentes da empregada de antes.

    Suas mos e ps estavam cobertos por luvas e grevas decoradas com ouro, prata e metais

    negros. Vestidas em armaduras com design de uniformes de empregadas, elas vestiam cocares

    brancos ao invs de elmos. Cada empregada estava segurando um tipo diferente de arma,

    demostrando a imagem de uma empregada guerreira.

    Seus cortes de cabelo eram tambm bem diferentes uns dos outros: coque, rabo de cavalo,

    liso, tranado, encaracolado, preso, etc. Mas havia algo que elas tinham em comum, e isso era

    sua beleza transcendental.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    16/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 16

    E tambm, as empregadas eram divididas em tipos como glamorosa, esportiva, tradicional e

    outras personalidades.

    Embora elas fossem NPCs e seus designs as fizessem divertidas e nicas, seu objetivo principal

    era lutar contra intrusos.

    Em Yggdrasil, guildas que possuam uma base equivalente a um castelo ou maior tinham vrios

    benefcios especiais.

    Um desses benefcios eram NPCs que protegiam a base.

    Os monstros mortos-vivos no Grandioso Tmulo Subterrneo de Nazarick fazia parte desta

    categoria. Esses NPCs chamados de NPCs que nascem tinham um nvel mximo que era 30

    e renasciam automaticamente sem custo depois de um tempo, mas j que no era possvel

    mudar suas aparncias em programao, eles no eram uma grande ameaa aos intrusos.

    Por outro lado, outro benefcio era o poder de criar um NPC original. Quando uma guilda tomauma base com um rank de castelo, ela pode criar NPCs com nvel total sendo 700. J que o

    nvel mximo era 100, voc podia criar no mximo cinco nveis 100, e quatro nveis 50, por

    exemplo.

    Quando estivesse criando um NPC original, alm de sua aparncia e IA, era possvel mudar

    suas armaduras e armas. Isso possibilitava a guilda de criar NPCs muito mais poderosos e

    coloca-los para protegerem lugares importantes.

    No havia necessidade de criar esses NPCs com nico objetivo sendo de combate. Uma outra

    guilda que ocupava um castelo, o Grandioso Reino dos Gatos, transformou todos seus NPCsem gatos ou outras criaturas felinas. Pode-se dizer que a guilda tinha o direito exclusivo de

    criar a imagem e a atmosfera de seu castelo.

    Hmm.

    Olhando para o mordomo e para as empregadas que se curvaram perante ele, ele levou sua

    mo ao seu queixo. J que ele sempre usava teleporte para se mover de sala em sala,

    Momonga no vinha para c com frequncia, o que o fez olhar para eles com um sentimento

    parecido com de nostalgia.

    A me de Momonga operou o console, abriu uma pgina que s era acessvel aos membros daguilda e ativou uma das opes. Enquanto ele o fez, o nome dos servos apareceu em cima de

    suas cabeas.

    Ah, ento esse o nome dele.

    Momonga tinha esquecido do nome dele. Ele sorriu cruelmente embora com nostalgia

    enquanto relembrava das disputas que ele com seus comparsas para decidir o nome desse

    NPC.

    Sebastian, o mordomo, que tambm era o administrador da casa.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    17/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 17

    As seis empregadas prximas a Sebastian estavam sob comando direto dele; a unidade de

    combate chamada de Pleiades . Alm disso, Sebastian tinha vrios servos e mordomos

    assistentes sob sua superviso.

    Em sua descrio havia mais detalhes sobre o NPC, mas Momonga no estava no clima de dar

    uma olhada. Havia pouco tempo sobrando at o desligamento do servidor, e ele queria sesentar em algum outro lugar.

    Todos os NPCs (incluindo as empregadas) continham detalhes complexos j que havia

    membros o suficiente que gostavam de elaborar as definies. Graas ao fato de que havia

    vrios ilustradores, designers grficos e programadores na Ainz Ooal Gown, eles podiam ficar

    obcecados com os visuais se divertirem.

    Originalmente, Sebastian e as empregadas eram a ltima linha de defesa contra intrusos.

    Contudo, como eles eram capazes de lidar com qualquer inimigo que chegasse at aqui, seu

    verdadeiro objetivo era ganhar tempo. Mas j que ningum nunca conseguiu chegar to longe,eles nunca receberam ordens e ficaram esperando eternamente nesse lugar.

    Pegando seu cajado, Momonga sentiu pena desses NPCs, embora esse pensamento fosse tolo.

    NPCs eram simplesmente data e o nico motivo de acreditar que tinham emoes era por

    causa do excelente design de suas IA.

    Contudo---

    Como lder da guilda, est na hora de comear a dar ordens para esses NPCs.

    Enquanto se ridicularizava por seu comentrio arrogante, Momonga deu uma ordem:

    Sigam-me.

    Sebastian e as empregadas respeitosamente se curvaram, mostrando que aceitaram a ordem.

    O ato de move-los desse local mostrava desrespeito pelo o que os membros da guilda tinham

    em mente no comeo. Ainz Ooal Gown era uma guilda que enfatizava no voto da maioria. Era

    proibido uma pessoa bagunar com tudo que todos criaram por pura teimosia.

    Mas hoje era o dia que tudo terminaria. Momonga acreditou que todos o perdoariam se fosse

    em tal dia.

    Ponderando esses tipos de coisas, Momonga guiou o som de vrios passos.

    Eventualmente eles chegaram em um salo gigante, com formato de domo. Um grande cristal

    de quatro cores no teto estava emitindo raios brancos de luz. Havia 72 alcovas nas paredes, a

    maioria deles com esttuas.

    Cada esttua imitava a aparncia de um demnio, e havia 67 deles.

    Essa sala era chamada de A Chave Menor de Salomo , tambm conhecida como Lemegeton.

    Foi tirado de um ttulo de um grimrio famoso.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    18/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 18

    As esttuas, modeladas com base nos Setenta e Dois Demnios de Salomo, eram na verdade

    golems feitos com metais raros mgicos. A razo para ter somente 67 golems ao invs de 72

    era porque o criador ficou doente e cansado do projeto.

    O cristal de quatro cores no teto era na verdade um monstro. Se um inimigo invadisse esse

    lugar, ele invocaria elementais de alto nvel de terra, gua, fogo e vento, e lanaria umaofensiva com vrias magias em rea.

    Combinando tudo, isso tinha o poder para acabar facilmente com dois grupos completo, que

    totalizaria 12 jogadores, de nvel 100.

    Sem dvidas, essa sala era a ltima linha de defesa que protegia o corao de Nazarick.

    Momonga passou pelo Lemegeton com seus servos e chegou em frente de um grande porto

    do outro lado.

    Com mais de cinco metros, essa majestosa porta dupla tinha uma deusa meticulosamenteesculpida no painel esquerdo e um demnio no painel direito. A imagem era to vvida que

    parecia que eles iriam pular da porta e atacar.

    Embora parecesse que eles podiam se mexer, Momonga sabia que eles no conseguiam.

    -----Se eles chegarem at aqui, vamos dar aos heris majestosas boas-vindas. Vrios jogadores

    esto dizendo que somos demnios e coisas parecidas, ento por que no esperar por eles l

    dentro majestosamente como chefes finais?

    Era porque essa proposta foi aprovada com o voto da maioria. E quem props foi...

    Urbet-san...

    Dentre todos os membros, Urbet Alain Odle era a pessoa mais obcecada com a palavra

    demnio .

    Bem, ele era um chuunibiyou afinal de contas...

    Olhando ao redor pelo salo, isso estava evidente para Momonga.

    .... Essas esttuas no vo me atacar, no mesmo?

    Suas palavras estavam cheias de ansiedade e ele estava certo de t-la.

    Nem mesmo Momonga entendia completamente todo o trabalho desse labirinto. No seria

    surpresa se alguns membros tivessem deixado algo estranho como presente de despedida. A

    pessoa que fez esta porta era esse tipo de pessoa.

    Teve uma vez que eles ativaram um poderoso golem feito por ele, e acabou que a IA de

    combate dele estava bugada, fazendo com que atacasse tudo ao redor. Contudo, Momonga

    continou ctico e acreditou que o erro foi intencional.

    LuciFer-san, se algo assimacontecer hoje, de todos os dias, eu vou ficar muito puto...

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    19/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 19

    Momonga cuidadosamente tocou na portamas suas preocupaes foram sem sentido.

    Condizendo com sua grandeza, a porta abriu lentamente, embora automaticamente.

    A atmosfera mudou de repente.

    O ambiente at agora lembrava um templo tranquilo e solene, mas a vista sua frenteultrapassou at mesmo isso. Parecia como se a mudana de ambiente estivesse o esmagando.

    O interior era enorme: um espao grande o suficiente para centenas de pessoas com lugar de

    sobra, e o teto, to alto que voc tinha que olhar completamente para cima. As paredes

    brancas, decoradas com ornamentos de ouro. Pendurados no teto, linhas de candelabros

    luxuosos forjados de gemas cor de arco-ris exalavam um brilho fantstico. Do teto ao cho,

    um total de 41 estandartes gigantes com diferentes padres decoravam as paredes.

    Havia uma pequena escadaria que tinha aproximadamente 10 degraus na parte mais funda da

    sala, ostentando com prata e ouro, e no topo havia um trono majestoso que parecia ter sido

    cortado de um cristal gigante. Na parede atrs dele havia um estandarte gigante vermelho

    escuro bordado com o braso da guilda.

    Esse era o local mais fundo e importante do Grandioso Tmulo Subterrneo de Nazarick---- a

    Sala do Trono.

    Oh...

    At mesmo Momonga estava admirado com a magnitude da sala. Ele estava convicto de que

    em tamanho, devia estar em 1 ou 2 no rank de Yggdrasil.

    Essa sala era perfeita para encarar os momentos finais.

    Momonga pisou no salo; era to vasto que parecia que iria engolir cada som de seus passos, e

    ento ele voltou seus olhos para a NPC em p ao lado do trono.

    Usando um vestido de branco puro, ela era uma mulher linda com o rosto de uma deusa.

    Contrastando com seu vestido, ela tinha um cabelo lustroso e totalmente preto at sua cintura.

    Embora sua ris dourada e pupila dividida verticalmente fossem peculiares, ela era de uma

    beleza impecvel. Contudo, no lado esquerdo e direito de sua cabea, havia dois chifres

    grossos e curvados, e na sua cintura, asas negras de anjo. Provavelmente por causa da sombracausada pelos chifres, seu sorriso de deusa parecia como uma mscara que escondia seu

    verdadeiro eu.

    Ela tinha um colar dourado de aranha que cobria seus ombros e peito. Vestindo luvas de seda,

    sua mo delicada estava segurando um objeto estranho que parecia ser um cajado. Devia ter

    45 centmetros de altura, estendendo de sua ponta, uma esfera negra flutuava no ar.

    Seu nome, Momonga no tinha esquecido.

    Seu nome era Albedo, a Supervisora dos Guardas dos Pisos do Grandioso Tmulo Subterrneo

    de Nazarick. Ela era uma NPC que supervisionava os 7 Guardas dos Pisos, e isso significava que

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    20/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 20

    ela estava acima de todos os outros NPCs no Grandioso Tmulo Subterrneo de Nazarick. Era

    por essa razo que lhe era permitido ficar na Sala do Trono.

    Momonga olhou para Albedo com seus olhos afiados e ponderou:

    Eu sabia que ela tinha um item de classe Mundial, mas como que ela tem 2 agora?

    Em Yggdrasil, s existiam 200 itens de classe Mundial.

    Cada um deles tinha sua prpria habilidade exclusiva, e alguns eram fortes o suficiente para

    acabar com o balanceamento do jogo. claro, nem todos os itens de tal classe tinham tais

    habilidades.

    Mesmo assim, se um jogador conseguisse obter um item de classe Mundial, a reputao de tal

    jogador pularia para a mxima possvel.

    Ainz OOal Gown possua 11 desses itens, e tambm era a guilda com maior quantidade deitens lendrios. Comparados com outras guildas, havia uma grande lacuna, j que a guilda logo

    atrs deles s tinha 3.

    Com a aprovao dos membros, Momonga possua um desses itens. O resto estava espalhado

    dentro de Nazarick, a maioria deles intocados dentro da sala do tesouro sob a proteo de

    avatares.

    S havia uma explicao sobre como Albedo tinha conseguido tal tesouro secreto sem

    Momonga saber. Foi dado a ela pelo membro que a criou.

    Ainz Ooal Gown era uma guilda regida pelo voto da maioria. Era proibido uma pessoa moveralgum tesouro que todos haviam obtidos juntos como quisesse.

    Com um pouco de desgosto, Momonga pensou em tomar de volta.

    Mas hoje era o ltimo dia, e depois de levar em conta o quanto Albedo era preciosa para seu

    companheiro, ele decidiu ignorar.

    Parem a mesmo.

    Tendo chegado as escadas que levavam para o trono, Momonga solenemente ordenou que

    Sebastian e a Pleiades para pararem de o seguirem.

    Assim que ele comeou a subir alguns degraus, ele percebeu o som de passos que ainda o

    seguiam. Momonga no conseguia seno sorrir amargamente claro, a expresso em sua

    caveira no mudou nem um pouco.

    NPCs no entendiam comandos fora de sua programao original. Voc tinha que usar

    palavras especficas para que eles aceitassem o comando. Tendo esquecido disso, Momonga

    percebeu que ele no dava ordens para NPCs h um bom tempo.

    Depois que seus companheiros de guilda se foram, Momonga caou sozinho e juntou recursos

    para manter Nazarick. Ele no fez amizades com outros jogadores, at mesmo os evitava. Ele

    tambm evitou as reas perigosas que seus companheiros frequentavam.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    21/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 21

    Dia aps dia, ele estava constantemente fazendo dinheiro e colocando no banco da guilda at

    que ele saia do jogo. Quase no havia contato com NPCs.

    Esperem.

    Os passos pararam.

    Depois que Momonga deu o comando correto, ele subiu o resto dos degraus em sua frente

    para o trono.

    Momonga encarava descaradamente para Albedo que estava ao seu lado. Ele raramente

    visitava essa sala no passado, ento ele nunca deu muita ateno para ela antes.

    Qual ser a descrio que ela tem.

    A nica coisa que Momonga relembrava sobre Albedo era seu papel como supervisora dos

    Guardas dos Pisos e que ela era a NPC mais forte do Grandioso Tmulo Subterrneo deNazarick.

    Pego pela curiosidade, Momonga abriu o painel de navegao e leu a descrio de Albedo.

    Uma torrente de texto encheu sua viso. Sua extenso se equivalia a de um poema pico.

    Parecia que ler tudo aquilo passaria do horrio de fechamento dos servidores.

    Com o sentimento de ter pisado numa mina terrestre, o rosto imvel de Momonga comeou a

    tremer.

    No fundo do seu corao ele queria lhe dar um sermo por esquecer que o membro que fez

    Albedo era uma pessoa extremamente meticulosa.

    Mas j que ele tinha comeado a ler, ele decidiu ir at o fim. Ligando o foda-se para o

    verdadeiro contedo, ele pulou a parede de texto em um piscar de olhos.

    Depois de pular todo aquele texto extenso, Momonga finalmente tinha chegado no final da

    descrio. Mas depois de ler o que estava escrito, sua linha de raciocnio parou de repente.

    [Ela tambm uma ninfo.]

    Ele estava sem palavaras.

    ... H? Mas que porra essa?!

    Momonga no conseguiu evitar de gritar. Com dvidas, ele releu vrias vezes, mas ainda

    permanecia a mesma sentena. Mesmo aps momentos de reflexo sobre o assunto, ele no

    conseguia pensar em outra interpretao.

    Uma ninfo... quer dizer que ela tem um apetite sexual do caralho?

    Cada um dos 41 membros tinha sido incumbido com a descrio de pelo menos um NPC.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    22/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 22

    Ser possvel que algum deles decidiu que seu personagem teria tal descrio? Momonga

    estava aturdido. Talvez ele fosse capaz de descobrir algum sentido diferente por trs disso

    depois de ler cuidadosamente o texto todo.

    Mas dentre seus companheiros de guilda, havia de fato, pessoas que surgiriam com tal

    distintiva e estranha descrio. Uma dessas pessoas era Tabula Smaragdina , o criador deAlbedo.

    Ah, ele era louco por divergncia em personagens, no era? Mas mesmo assim...

    Mas mesmo assim, isso no exagero?

    Cada NPC feito por um membro fazia parte do legado da guilda. Momonga ficou desmotivado

    com Albedo, que era a NPC mais forte, tendo tal descrio.

    Hmm...

    Era correto ele modificar um NPC que um membro tinha criado com apreo? Depois de pensar

    um pouco, Momonga chegou a uma concluso.

    Vamosmudar.

    Agora que ele tinha a arma da guilda, ele realmente era o lder da guilda. Estaria tudo bem

    para ele exercer sua prerrogativa. A hesitao de Momonga desapareceu com sua indiscutvel

    lgica de que ele deveria consertar os erros de seus companheiros.

    Momonga esticou a mo com que estava segurando o cajado. Normalmente ele teria que usar

    a ferramenta de edio para mudar a descrio, mas como agora ele estava usando seusprivilgios como lder, ele podia acessar diretamente. Operando o console, ele imediatamente

    apagou a sentena.

    Est bom por enquanto.

    Enquanto olhava para o espao em branco na descrio de Albedo, Momonga pensou por um

    momento.

    Talvez eu devesse colocar alguma coisa...

    No, isso bobagem.

    Rindo da ideia que lhe surgira, ele digitou no teclado do console. Era somente uma frase.

    [Ela est apaixonada pelo Momonga.]

    Uau, isso constrangedor.

    Escondendo seu rosto com suas mos, Momonga se sentiu muito envergonhado por causa de

    sua atitude. Era como programar sua namorada ideal com uma trama romntica. Embora ele

    quisesse reescrever no comeo, ele decidiu deixar assim. Hoje o jogo ir terminar e o

    sentimento de vergonha logo sumir. No fim das contas, a parte que ele deletou e acrescentou

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    23/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 23

    tinha mais ou menos o mesmo tamanho. Se houvesse partes em branco, Momonga se sentiria

    mal por isso.

    Sentado no trono, envergonhado e de certa forma satisfeito, Momonga olhou ao redor da sala

    e percebeu que Sebastian e as empregadas estavam de p, imveis. Embora eles estivessem

    no mesmo lugar, ainda parecia desolado.

    Eu acho que havia esse tipo de comando.

    Momonga se recordou de um comando que nunca tinha usado. Ele levantou sua mo e

    lentamente a moveu para baixo.

    Ajoelhem.

    Albedo, Sebastian e a Pleiades ajoelharam simultaneamente.

    Est tudo pronto.

    Momonga levantou sua mo esquerda para olhar o relgio hologrfico.

    23:55:48

    Bem na hora para os ltimos momentos.

    Um GM provavelmente j estava espalhando e celebrando l fora. Mas estando sentado aqui,

    remanescendo completamente isolado do mundo de fora, Momonga no tinha como saber.

    Momonga se inclinou para trs no trono e lentamente olhou para o teto.

    Considerando como essa era a lendria base que tinha destrudo a grande expedio no

    passado, Momonga pensou que talvez houvesse jogadores que tentariam invadir Nazarick no

    ltimo dia.

    Ele estava esperando. Para aceitar o ltimo desafio como lder da guilda.

    Embora ele tivesse mandado e-mails para seus antigos colegas, quase nenhum deles

    apareceram.

    Agora ns somos uma relquia do passado...

    Momonga pensou dentro de seu corao.

    A guilda era agora um casco vazio, mas ainda assim ele tinha passado por timos momentos

    com ela.

    Seus olhos se voltaram para os grandes estandartes pendurados pelo teto. Havia 41. Um

    estandarte para cada membro, cada um com seu prprio design. Momonga levantou seu dedo

    sem carne e apontou para um dos estandartes.

    Eu.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    24/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 24

    Ento ele moveu seu dedo em direo ao estandarte ao lado. Aquele pertencia a um da Ainz

    Ooal Gownno, a um dos jogadores mais fortes de Yggdrasil. O fundador da guilda e aquele

    que uma vez juntou os Nove Primeiros .

    Toque-me.

    Depois ele apontou para o estandarte da pessoa que era um professor em uma universidade, e

    tambm o mais velho na Ainz Ooal Gown.

    Shi-juuten Suzaku.

    Seu dedo se moveu rapidamente, apontando para o estandarte que pertencia a uma das trs

    mulheres da Ainz Ooal Gown.

    Azuki Mochi.

    Momonga suavemente recitou os nomes dos donos de cada estandarte.

    Meromero, Perorontino, Simmering Teapot, Tabula Smaragdina, Takemizakuchi, Variable

    Talisman, Genjiro

    Relembrar dos nomes dos 40 companheiros no era difcil para Momonga.

    Os nomes de seus amigos ainda estavam gravados profundamente em sua cabea.

    Momonga, cansado, apoiou suas costas no trono.

    , foi muito divertido...

    Alm da taxa mensal, Momonga gastava quase um tero do seu salrio com cash. No que

    ele ganhava bem, ele simplesmente no tinha outros interesses, ento ele gastava a maior

    parte de seu dinheiro em Yggdrasil.

    No jogo, havia um sistema em que jogadores poderiam pagar uma taxa para que participassem

    de uma loteria para ganhar um item raro, e Momonga tinha gastado boa parte do seu dinheiro

    com isso. Depois de muito gasto, ele conseguiu pegar vrios itens raros. Mas depois de ouvir

    que um de seus companheiros conseguiu ganhar nessa loteria usando apenas o dinheiro do

    lanche, Momonga ficou verde de tanta inveja.

    J que todo membro da Ainz Ooal Gown era um trabalhador da sociedade, todos haviam gasto

    dinheiro com cash, mas Momonga era um caso especial.

    Ele estava viciado a esse ponto. Sair em aventuras era interessante, mas sair por a com seus

    amigos era o mais divertido para ele.

    Para Momonga, que no tinha amigos ou familiares sobrando no mundo real, suas memrias

    do tempo que passou com seus amigos na Ainz Ooal Gown eram tudo que ele tinha.

    Hoje, a guilda iria desaparecer.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    25/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 25

    Com um corao cheio de desnimo e arrependimento, ele apertou a mo com que segurava o

    cajado. Momonga era uma pessoa normal, ele no tinha poder econmico nem conexes que

    pudessem mudar esse fato. Ele s podia esperar silenciosamente enquanto o tempo passava

    para todos os jogadores do servidor.

    O relgio hologrfico mostrava 23:57. O servidor iria fechar 0:00.

    O tempo est acabando. Esse mundo virtual ir acabar e eu irei retornar para minha vida

    cotidiana.

    Isso bvio. Pessoas no podem viver num mundo virtual, ento todos temos que sair, mais

    cedo ou mais tarde.

    Amanh vou ter que levantar 4 da manh. Eu tenho que ir dormir imediatamente aps o

    fechamento do servidor, para que no afete meu trabalho amanh.

    23:59:35,

    36,

    37...

    Momonga lentamente contou os segundos.

    23:59:48,

    49,

    50...

    Com o relgio contando os segundos restantes, ele esperou pelo fim do seu mundo de

    fantasia

    E eventualmente pela desconexo com o servidor

    0:00:00...

    1,

    2,

    3...

    ...H?

    Momonga abriu seus olhos.

    Ele no estava de volta em seu quarto. Ele ainda estava sentado na Sala do Trono dentro de

    Yggdrasil.

    O que est acontecendo?

    A hora estava correta. Agora mesmo ele deveria ter sido desconectado do servidor.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    26/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 26

    0:00:38

    J tinha passado do horrio anunciado e a no ser que um erro no sistema tenha acontecido,

    era impossvel entender outra coisa.

    Momonga olhou ao redor confuso, procurando uma explicao.

    Ser que eles atrasaram no desligamento do servidor? Ou ser que decidiram adiar porque

    no conseguiram desligar?

    Vrias explicaes vieram a sua mente, mas nenhuma parecia ser a correta.

    A mais provvel parecia ser a de um atraso devido a um erro no sistema.

    Se esse fosse o caso, um GM deveria ter falado algo at agora. Momonga apressadamente

    procurou sobre o desligamento do servidor no chatmas parou abruptamente.

    No havia interface de controle.

    Mas o qu...?

    Embora Momonga tenha se sentido ansioso e confuso, ele tambm estava um pouco surpreso

    com sua calma. Ele tentou todas as funes usadas no jogo. Acesso do Sistema Forado, Chat,

    Chamar GM, Desconectar e adiante

    Nada funcionava, parecia que ele tinha sido removido completamente do sistema.

    ...Mas que caralhas est acontecendo aqui?!

    Seu grito de raiva ecoou pela Sala do Trono e ento se dissipou.

    Para tal coisa acontecer no dia ltimo dia, quando tudo deveria acabar.... Ser que os

    desenvolvedores estavam enganando todo mundo?

    A voz de Momonga estava furiosa e ele se sentiu frustrado por ter sido incapaz de ter um final

    glorioso. Naturalmente, no deveria ter tido nenhuma resposta de exclamao furiosa.

    Contudo...

    Est tudo certo, Momonga-sama?

    Era a primeira vez que Momonga tinha ouvido tal voz doce e feminina.

    Embora chocado, Momonga comeou a procurar pela origem da voz. Quando ele descobriu

    quem era, ele estava sem palavras.

    A resposta veio de um NPCEra Albedo.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    27/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 27

    Parte 3

    Situada na fronteira entre o Imprio de Baharuth e do Reino de Re-Estize, ao sul das

    montanhas Azellerisia, havia uma vasta floresta chamada de A Grande Floresta de Tove .

    Nos arredores desta floresta, ficava o vilarejo de Carne.

    Sua populao era de mais ou menos 120 pessoas, que eram divididas em 25 famlias. Para um

    vilarejo da fronteira do Reino de Re-Estize, este nmero era comum.

    Os moradores viviam principalmente da floresta e de seus cultivos, j que no havia

    praticamente ningum que os visitava, exceto por mdicos procurando por ervas e o coletor

    de impostos que vinha uma vez ao ano. Era um vilarejo parado no tempo.

    Os moradores tinham trabalho desde o momento em que acordavam, ao nascer do sol. Sendo

    um vilarejo sem luz mgica, a Luz Perptua eles trabalhavam desde o nascer do sol at

    ele se pr, era esse tipo de vida.

    A primeira tarefa de Enri Emmott era de ir ao poo e pegar gua. Pegar gua era a tarefa da

    garota at que o tanque de sua famlia estivesse cheio. Durante isto, sua me prepararia o caf

    da manh, e a famlia com quatro pessoas comeria junta.

    O caf da manh consistia de cevada de trigo fervido ou mingau de trigo, assim como vegetais

    fritos. s vezes eles tambm comiam frutas. Depois de comer com sua famlia, sua irm de 10

    anos saia para a floresta pegar lenha, ou ajudar no trabalho no campo. No centro do vilarejo

    assim que o sino do meio-dia tocava, todos descansavam na praa para almoar juntos.

    O almoo consistia de po preto velho, sopa de carne moda. Depois disso, eles continuavam atrabalhar no campo e assim que o sol se punha, todos retornavam para casa para jantar.

    Assim como o almoo, no jantar tambm havia po preto, junto de sopa de ervilha. Se os

    caadores do vilarejo conseguiam pegar algum animal, tambm haveria carne. Depois do

    jantar, todos usavam as luzes da cozinha e conversavam alegremente, enquanto remendavam

    roupas rasgadas.

    Eles iam dormir por volta das 8.

    Enri Emmot nasceu a 16 anos atrs, e at hoje ela nunca tinha deixado o vilarejo. Ela estava se

    perguntando, ser que seus dias seriam o mesmo para sempre?

    Assim como qualquer outro dia, Enri levantou da cama e foi para o poo pegar gua.

    Normalmente, ela precisava ir e voltar 3 vezes do poo para encher o tanque de gua.

    Certo.

    Enri levantou suas mangas e mostrou uma pele branca que chamava a ateno que no teve

    muito contato com o sol. Trabalhar no campo deixou seus braos magros, mas musculosos.

    Embora o jarro cheio de gua fosse pesado, Enri facilmente o pegou.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    28/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 28

    Se o jarro estivesse cheio at a boca, ela teria que fazer menos viagens, o que faria com que

    ela terminasse a tarefa mais rpido, certo?

    Mas no deve ser to pesado para ela carregar. Enquanto pensava isso, Enri comeou a voltar

    para casa. No seu caminho ela escutou um som, e depois de se virar na direo do som, seu

    corao ficou cheio de pavor.

    O som que ela escutou era o barulho de madeira sendo quebrada. Seguido por um grito

    Um grito?

    Parecia como o choro de um pssaro estrangulado, mas definitivamente no era um pssaro

    que estava fazendo esse som. Enri no conseguia evitar de ficar estremecida. Ela no queria

    acreditar. Devia ser sua imaginao, aquele definitivamente no era o grito de uma pessoa.

    Muitos pensamentos horrveis passaram por sua cabea.

    Ela tinha que se apressar, porque o grito parecia ter vindo da direo em que ficava sua casa.

    Ela largou o jarro de gua, j que era impossvel para ela correr enquanto carregava alto to

    pesado.

    Embora ela tenha quase tropeado no seu vestido, ela rapidamente recuperou seu equilbrio.

    O som veio de novo.

    O corao de Enri tremeu.

    Aquele era definitivamente um grito de uma pessoa, no havia erro.

    Ela continuou correndo, e correndo e correndo.

    Nunca na sua vida ela tinha corrido to rpido, ela correu at que tropeou sobre suas pernas.

    O som de um cavalo e de pessoas gritando.

    Tudo ficava cada vez mais claro.

    A frente de seus olhos, de muito longe, ela podia ver um estranho vestido completamente com

    uma armadura apontando uma espada aos moradores do vilarejo.

    No cho, havia uma pessoa com uma ferida fatal.

    Morjina-san...

    Em tal pequeno vilarejo ningum era tratado como estranho, todos eram parte da famlia.

    Ento Enri reconheceu aquela pessoa assassinada a sua frente.

    Embora ele s vezes fosse barulhento, ele era uma boa pessoa e no merecia morrer desta

    forma. Pensando em pararEla mordeu seus lbios e continuou.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    29/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 29

    A pequena distncia de transportar a gua agora parecia uma eternidade. O vento trouxe os

    sons de gritos e xingamentos aos seus ouvidos. Finalmente ela avistou sua casa.

    Papai! Mame! Nimu!

    Enquanto gritava por sua famlia, Enri abriu a porta e viu sua famlia esttica com rostos cheiosde medo.... Contudo, assim que Enri entrou pela porta suas expresses instantaneamente se

    relaxaram, demonstrando alvio.

    Enri! Voc est bem!

    Seu pai, com mos fortes do trabalho no campo, agarrou Enri.

    Ahh, Enri...

    Sua me confortavelmente a abraou.

    Certo, Enri tambm voltou, agora vamos fugir rpido!

    Agora mesmo, a situao da famlia Emmott crtica. Eles estavam preocupados por Enri no

    ter voltado para casa, fazendo com que eles perdessem a chance de escapar. Eles estavam sob

    perigo iminente.

    Mas suas preocupaes logo se transformaram em realidade.

    No momento que eles queriam fugira silhueta de uma pessoa entrou pela porta. De p na

    frente da luz do sol havia uma pessoa completamente protegida por uma armadura

    carregando o braso do Imprio de Baharuth. Ele estava segurando em sua mo a bainha de

    uma espada.

    O Imprio de Baharuth est constantemente em guerra com seu vizinho, o Reino de Re-Estize.

    Mas invases desse jeito s ocorriam perto da cidade fortaleza de Eae Rantel, eles nunca

    chegaram a este vilarejo antes.

    A vida pacata deste vilarejo foi interrompida abruptamente.

    Pelas aberturas em seu elmo, havia o sentimento de olhos frios que contavam o nmero de

    pessoas da famlia de Enri. Ela ficou apavorada, olhando em seus olhos.

    O cavaleiro pegou em sua espada, dava para ouvir o rangido pelo jeito que ele pegou sua

    espada.

    No momento que ele estava prestes a entrar na casa

    Huargh!

    Ergh!

    Seu pai correu at o cavaleiro, fazendo com que os dois sassem da porta.

    Corram!

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    30/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 30

    Seu!

    Havia sangue escorrendo pelo rosto de seu pai, um machucado causado pelo impacto.

    Tanto seu pai quanto o cavaleiro estavam lutando contra o outro no cho. O cavaleiro estava

    segurando a lmina de seu pai, ao mesmo tempo em que este segurava a espada do cavaleiro.

    Vendo seu pai sangrar, a mente de Enri ficou vazia: ela no sabia se ajudava seu pai ou fugia

    dali.

    Enri! Nimu!

    O grito de sua me lhe trouxe de volta. Enri viu sua me balanando sua cabea com uma triste

    expresso.

    Enri pegou a mo de sua irm e fugiu. Embora cheia de culpa e hesitao, ela decidiu correr

    rapidamente para a floresta.

    O som de cavalos, gritos, metais batendo e o cheiro de fumaa.

    De todos os cantos do vilarejo, essas situaes adentraram pelos ouvidos, olhos e nariz de Enri.

    De onde exatamente eles vinham? Enri desesperadamente lutou para descobrir enquanto

    corria. Correr at o limite de seu corpo, ou se esconder em algum canto de uma casa. Medo

    ameaava tomar conta de seu corpo e as fortes batidas de seu corao no eram s causadas

    pela sua corrida. Com tudo isso, a sensao de uma pequena mo segurando a sua dava a

    motivao para correr.

    A vida de sua irm.

    Sua me, que estava correndo em sua frente, parou de repente perto de um canto e deu meia

    volta. Ela estava voltando correndo, sinalizando Enri para correr na outra direo.

    Pensando no porqu sua me faria tal coisa, Enri franziu seus lbios e sufocou suas lgrimas

    que estavam prestes a sair. Ela pegou a mo de sua irm e correu, no desejando estar nesse

    lugar mais do que o necessrio. Com medo do que ela poderia ver.

    Momonga-sama, algum problema?

    Albedo repetiu a pergunta. Momonga no sabia como responder. Porque tantas coisasincompreensveis aconteceram ao mesmo tempo, sua mente ficou branca.

    Desculpe.

    Momonga s conseguiu se levantar e estupidamente olhar para Albedo.

    H algo errado?

    O rosto lindo de Albedo estava inspecionando lentamente Momonga. Uma fragrncia entrou

    pelo seu nariz. Aquela fragrncia trouxe o pensamento de Momonga de volta, enquanto ele

    lentamente voltava para realidade.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    31/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 31

    No... No h... No, nada.

    Momonga no era o tipo de pessoa que usava honorficos quando falava com bonecas. Mas...

    depois de escutar a pergunta de Albedo, ele sem inteno, respondeu usando eles. Por causa

    de suas aes e forma de falar, no havia como ignorar seu comportamento humano.

    Embora Momonga pudesse ver claramente como Albedo estava agindo de maneira anormal,

    ele ainda era incapaz de entender o que estava acontecendo. Nesse tipo de situao, tudo que

    ele podia fazer era tentar reprimir seus sentimentos transbordantes de medo e surpresa, mas

    como Momonga era uma pessoa normal, ele no conseguiu o fazer.

    Assim que Momonga quis comear a gritar, a lembrana de um certo membro da guilda lhe

    veio mente.

    Tumulto a falha de um pas, voc deve sempre manter um jeito lgico de pensar. Fique

    calmo, planeje adiante, e no perca seu tempo pensando em coisas insignificantes, Momonga-

    san.

    Pensando nisso, Momonga se acalmou.

    Momonga agradeuceu ao Zhuge Liang da Ainz Ooal GownGarota do Vestido Moe.

    .... Alguma coisa aconteceu com voc?

    O rosto encantador de Albedo perguntou enquanto ficava perto, fazendo com que Momonga

    quase sentisse a fragrncia que ela estava emitindo. Embora ele finalmente tenha se acalmado,

    ele quase se perdeu de novo naquele instante.

    .... A funo para chamar o GM parece ter falhado.

    Para Albedo com aqueles olhos de cachorro sem dono, Momonga no resistiu e respondeu a

    NPC.

    Nunca em toda sua vida Momonga teve algo assim com um ser do sexo oposto, ainda mais

    com uma mulher assim.

    Embora ele soubesse que ela era s uma NPC, considerando o quo humanas eram suas

    expresses e aes, Momonga no conseguiu evitar de ficar com o corao palpitante.

    Mas as batidas constantes de seu corao foram suprimidas para voltar para um estado mais

    calmo. Embora Momonga estivesse perturbado por suas palpitaes repentinas, ele se

    lembrou das palavras sbias confiadas a ele por um de seus companheirs.

    Mas esse realmente o caso?

    Momonga sacudiu sua cabea, agora no hora de pensar sobre isso.

    .... Por favor me perdoe por ser incapaz de responder a pergunta do Momonga-sama sobre o

    GM. Perdoe-me por ser incapaz de alcanar suas expectativas, se houver algo que eu possa

    fazer para compensar por meu erro, eu felizmente aceitarei a ordem. Por favor, d-me sua

    prxima ordem.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    32/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 32

    ..., esses dois estavam conversando um com o outro, no havia dvidas sobre isso.

    Percebendo isso, Momonga estava surpreso demais para falar.

    Impossvel. Isso definitivamente impossvel.

    Esse NPC conseguia falar. No, possvel usar comandos de voz automticos que permitam

    que NPCs falem, porque havia vrios gritos e saudaes para os jogadores baixarem.

    Contudo, para conversar propriamente com um NPC era impossvel. At agora pouco,

    Sebastian s era capaz de entender comandos simples.

    Ento, o que pode ter acontecido para que isso seja possvel? Foi s Albedo que mudou?

    Com um movimento de sua mo, Momonga deu Albedo ordens para se afastar, o que ela fez

    com um rosto cheio de arrependimento. Momonga ento virou seus olhos para as cabeas do

    mordomo e das seis empregadas.

    Sebastian! Empregadas!

    Sim!

    Dizendo com uma sincronia perfeita, todos levantaram suas cabeas.

    Venham para frente do trono.

    Sim, meu senhor.

    De novo, com uma sincronia perfeita, eles se moveram at o trono.

    Assim que chegaram eles se ajoelharam.

    Naquele momento, duas coisas ficaram claras.

    Primeiro, mesmo sem usar comandos especficos, NPCs so capazes de entender comandos

    simples.

    Segundo, Albedo no era a nica capaz de falar.

    No mnimo, todos os NPCs na sala do trono estavam estranhos.

    Enquanto Momonga pensava sobre isso, ele no conseguia apagar a sensao de que havia

    algo de errado com Albedo, que ainda estava de p ao seu lado. Querendo esclarecer isso,

    Momonga olhou para Albedo com um olhar afiado.

    -Aconteceu alguma coisa? Eu fiz algo de errado...?

    ...!

    Finalmente percebendo o que estava errado, ele era incapaz de dizer algo e s conseguiu

    suspirar supreso.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    33/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 33

    Uma sensao estranha veio das mudanas de expresses. Bocas se mexendo, at mesmo

    saindo som-

    .... Ser... que !

    Momonga rapidamente colocou sua mo em sua boca e tentou fazer um som.

    -Sua boca estava se mexendo.

    Era comum em DMMORPG ser impossvel da boca se mexer e falar ao mesmo tempo.

    A aparncia de expresses faciais era basicamente esttica, e se isso fosse verdade, ento

    ainda no deveria ter expresses faciais nesse design.

    E tambm, o rosto de Momonga era s uma caveira, sem lngua e garganta. Olhando para

    baixo em direo as suas mos, tudo que ele viu foi uma mo esqueltica sem nenhuma pele.

    Ele nem mesmo tinha rgos internos, ento como ele era capaz de falar?

    Impossvel...

    Momonga de repente sentiu todo seu senso comum sendo desintegrado, ao mesmo tempo

    que se sentiu inquieto. Reprimindo a vontade de gritar, seu corao de repente voltou a ficar

    calmo. Momonga bateu com fora em um dos braos do trono, mas como ele imaginava, no

    havia sinal de dano.

    .... O que eu deveria fazer.... H alguma ideia boa...?

    Sem nenhum entendimento da situao atual, ele comeou a ficar irritado pois no havia

    ningum ali que pudesse o ajudar.

    Ento a coisa mais importante a se fazer agora procurar por pistas.

    Sebastian.

    Erguendo sua cabea, Sebastian tinha uma expresso sincera, como se fosse uma pessoa de

    verdade. Dar ordens a ele no deveria ser um problema, certo? Embora eu no saiba o que v

    acontecer, ser que todos os NPCs nessa tumba so leais a mim? Esses com certeza no so

    mais os NPCs que todos criaram juntos.

    Se sentindo apreensivo com sua mente nadando em perguntas, Momonga suprimiu suas

    emoes. De qualquer forma, o melhor candidato para procurar era Sebastian. Apesar da

    Albedo estar prxima dele, Momonga tomou a deciso de usar Sebastian.

    Enquanto pensava em como parecer com um chefe importante dando ordens para seus

    subordinados, Momonga demonstrou uma atitude superior e ordenou:

    Saia do Grandioso Tmulo e procure aos arredores. Se existe algum ser inteligente ou

    amigvel, convide-os para c. Negociaes devem ser feitas para agradar o outro. Olhe num

    raio de 1 quilmetro e tente evitar lutas.

    Sim, Momonga-sama. Eu farei como ordenado.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    34/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 34

    Em Yggdrasil, era impossvel para os NPCs deixarem a rea que foram criados para proteger.

    Contudo, agora mesmo isso foi subvertido.

    No, isso s poderia ser determinado assim que Sebastian sasse do Grandioso Tmulo de

    Nazarick.

    .... Leve uma integrante da Pleiades com voc. Se houver uma situao em que voc deva

    recuar, traga-me as informaes.

    Com isso, o primeiro passo foi dado.

    Momonga soltou o Cajado de Ainz Ooal Gown.

    O cajado no caiu no cho, mas comeou a flutuar, como se houvesse algum o segurando no

    ar. Embora totalmente inconsistente com as leis da fsica, isso o que geralmente acontece no

    jogo. Situao em que itens flutuavam no ar assim que eram largados no eram raras em

    Yggdrasil.

    Os espritos que apareciam no cajado mostravam uma expresso triste e envolveram a mo de

    Momonga, mas ele no deu bola. Esse tipo de acontecimento no era estranho..., contudo,

    esse tipo de efeito no era surpreendedor, ento Momonga girou seus dedos e dissipou os

    espritos.

    Momonga cruzou seus braos em contemplao.

    O prximo passo seria-

    .... Contatar a empresa do jogo.

    Considerando a situao anormal de Momonga, aquela que mais saberia sobre sua situao

    deveria ser a empresa.

    O problema era falar com a empresa. Normalmente algum usaria o [Gritar] ou [Chamar GM],

    funes que estabelecem contato imediato, mas aqueles mtodos parecem terem falhado.

    Mensagem?

    Essa era a magia do jogo de mensagem.

    Normalmente, s era usvel em alguns lugares e situaes, mas agora mesmo poderia ser uma

    boa opo. Enquanto essa magia podia ser usada para se comunicar com outros jogadores, era

    desconhecido se poderia ser usada para chamar um GM.

    E nessa situao anormal, no havia garantia de que esta magia funcionaria.

    .... Mas...!

    Ainda valia a pena investigar.

    Momonga era totalmente um mago. Se ele fosse incapaz de usar magia, no s seu combate,

    mas at sua mobilidade e mtodo para conseguir informao, seriam reduzidas

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    35/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 35

    significativamente. Numa situao como essa, onde tudo era incerto, era importante

    confirmar se ainda era possvel usar magia. E isso deve ser descoberto rpido.

    Ento, ser que havia algum lugar em que ele poderia usar magiaMomonga olhou ao redor

    da sala do trono e sacudiu sua cabea.

    Embora essa fosse uma situao de emergncia, ele no queria a Sala do Trono fosse sua

    cobaia. Enquanto pensava em um locar melhor, um certo lugar lhe veio mente.

    Alm de suas prprias habilidades, havia outra coisa que ele queria confirmar.

    E isso era sua autoridade. Ele precisava descobrir se sua autoridade como lder da Ainz Ooal

    Gown ainda existia.

    Embora todos os NPCs a sua frente aparentassem leais, haviam vrios NPCs no Grandioso

    Tmulo de Nazarick que eram igualmente fortes a Momonga. Ele precisava confirmar se eles

    ainda eram leais a ele.

    Contudo

    Momonga olhou para Sebastian e as empregas que estavam ajoelhados, depois para Albedo,

    ao seu lado.

    Albedo tinha um leve sorriso em seu rosto. Enquanto pudesse ser descrito como muito lindo,

    tambm parecia um sorriso perturbado que escondia alguma coisa, o que deu um mau

    pressentimento a Momonga.

    Ser que a lealdade da NPC no tinha mudado? Se era essa a realidade, depois de conhecerum superior incapaz, os empregados perderiam a confiana ele, ento as reaes dos NPCs

    seriam a mesma, no ? Ou ser que eles nunca iro trair algum enquanto eles forem

    programados para tal?

    Se sua lealdade pudesse ser abalada, ento o que poderia ser feito para restaura-la? Dar

    recompensas? Havia vrias coisas de valor no ba da guilda. Mesmo se usar esses tesouros

    deixasse seus companheiros tristes, j que essa era uma situao de emergncia em relao a

    sobrevivncia da Ainz Ooal Gown, eles entenderiam. S era incerto quantos incentivos

    deveriam ser dados.

    Alm disso, ser que uma posio superior deveria ser considerada como ser superior? Mas

    agora mesmo que poder considerado superior, ainda no est claro para ele. Parecia que se

    ele continuasse nesse raciocnio, ele comearia a entender as coisas.

    Ou

    Poder?

    Momonga abriu a sua mo esquerda, e o Cajado de Ainz Ooal Gown automaticamente voou

    para sua mo.

    O poder para ficar acima de todos?

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    36/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 36

    As sete gemas incorporadas ao cajado brilharam levemente, como se pedissem para seu

    mestre para usar seu poder.

    .... Esquea, vamos pensar sobre isso em outra hora.

    Momonga soltou o cajado e ele caiu no cho como se tivesse sido dando piti.

    Recapitulando, enquanto voc agisse como um lder improvvel que os outros fossem hostis

    com voc. Independentemente se fosse um humano ou animal, enquanto voc no mostrasse

    sinais de fraqueza, o inimigo no mostraria suas garras e atacaria.

    De maneira imponente, Momonga gritou:

    Pleiades, escutem. Fora a empregada que est com Sebastian, o resto de vocs ir para o

    nono andar e o proteger de qualquer invaso do oitavo andar.

    Sim, Momonga-sama.

    As empregadas ao lado de Sebastian respeitosamente responderam, mostrando entendimento

    de suas ordens.

    Imediatamente.

    Entendido, meu lorde!

    Depois de dar sua resposta, Sebastian e as empregadas se curvaram perante Momonga, se

    levantaram ao mesmo tempo e saram.

    Mais uma vez as portas gigantes estavam fechadas.

    Sebastian e as empregadas desapareceram no outro lado.

    O fato deles no terem recusado a ordem era um bom sinal.

    Momonga se sentiu como um peso tivesse sado de suas costas e olhou para a pessoa que

    ficou com ele. Essa pessoa era Albedo, que estava sorrindo enquanto perguntava: O que voc

    quer que eu faa, Momonga-sama?

    Ah, hmm.... J sei. Momonga se levantou de seu trono, e segurando seu cajado com uma

    mo disse:

    Venha at mim.

    Como quiser.

    Respondendo com um sorriso, Albedo veio para frente. Embora Momonga ainda estivesse

    atento a varinha com a bola flutuante que Albedo carregava, ele momentaneamente esqueceu

    que aquilo estava ali. Antes que ele percebesse isso, Albedo j estava perto o suficiente dele

    para abraa-lo.

    Que cheiro bomo que caralhas estou pensando?!

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    37/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 37

    Esse pensamento foi instantaneamente dispensando no momento que Momonga pensou

    naquilo, essa no era a hora para fantasias afinal de contas.

    Momonga se esticou para tocar a mo de Albedo.

    ...

    H?

    A expresso de Albedo estremeceu com dor. Momonga ficou chocado e rapidamente puxou

    sua mo de volta.

    O que aconteceu? Ser que eu a deixei desconfortvel?

    Vrias memrias ruins lhe vieram cabeacomo se os cus tivessem cadomas Momonga

    achou a resposta rapidamente.

    .... Ah

    A classe requerida para ser Undead Overlord era a Skeleton Mage, que tinha uma habilidade

    que dava dano ou aplicava efeitos negativos quando o usurio tocava outra pessoa. Ser esse

    o motivo da reao dela?

    Mesmo se for o caso, ainda h algumas dvidas.

    Em Yggdrasil, os monstros e NPCs que nasciam no Grandioso Tmulo de Nazarick eram todos

    registrados sob a guilda Ainz Ooal Gown. Enquanto fossem da mesma guilda, mesmo se

    atacassem uns aos outros, nada aconteceria.

    Ser que ela no era mais da guilda? Ou ser que agora possvel machucar membros da

    guilda?

    A possibilidade de ser a ltima alta.

    Percebendo isso, Momonga se desculpou com Albedo:

    Desculpe-me. Eu esqueci de tirar o efeito negativo dessa habilidade.

    Por favor no se importe comigo, Momonga-sama. Esse grau de dor no nada significante.

    E tambm, se for o Monoga-sama, no importa que tipo de dor.... Ahn!

    Oh..., hmm..., mesmo .... No, perdoe-me.

    Momonga no tinha ideia de como reagir depois de ver Albedo cobrir seu rosto com sua mo

    timidamente depois de dar um gemido, e comeou a gaguejar.

    Realmente tinha sido por causa do efeito negativo de contato.

    Momonga rapidamente desviou o olhar, e tentou descobrir como parar o efeito da habilidade

    e de repente entendeu o mtodo.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    38/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 38

    Usando as habilidades do Undead Overlord, para Momonga era simples e natural como

    respirar.

    Estando diante de tais circunstancias anormais, Momoga no resistiu e riu.

    Depois de tantas situaes estranhas, ficar afobado por causa de algo assim era bobo.

    Hbitos podem ser terrveis.

    Eu vou tocar voc.

    Ah.

    Depois de desativar a habilidade, ele foi tocar a mo de Albedo. Embora algumas palavras

    tivessem vindo mente,Ah to magraAh to brancae outras ideias do tipo lhe

    apareceram, todos os desejos masculinos foram completamente ignorados j que ele s queria

    sentir o pulso dela.

    Estava pulsando.

    A batida de um corao. Se isso era um ser biolgico, isso era timo.

    claro, se isso fosse um ser biolgico.

    Depois de soltar, Momonga olhou para o prprio pulso e s viu ossos brancos sem pele. J que

    no havia vasos sanguneos, obviamente no havia pulso. claro, ser um Undead Overlord

    significava que ele era imortal, alm do alcance da morte, claro que no haveria pulso.

    Deixando isso de lado, Momonga olhou para Albedo.

    Momonga v Albedo com olhos molhados emergindo de sua sombra. Com rosto corado,

    provavelmente por causa da sbita elevao da temperatura corporal. Ver a aparncia de

    Albedo, deixou Momonga atordoado.

    .... Como isso aconteceu?

    Ela no era um NPC? S uma informao eletromagntica? Como era possvel ela ser como

    uma pessoa viva, que tipo de IA era capaz disso? Mais importante, o mundo de Yggdrasil

    parecia ter virado o mundo real...

    Impossvel.

    Momonga sacudiu sua cabea em negao. Tamanha situao fantstica nunca aconteceria.

    Mas assim que uma ideia fosse fixada profundamente, no poderia ser removida facilmente.

    Se sentindo um pouco desconfortvel com a mudana de Albedo, Momonga estava perdido

    sobre o que fazer.

    Agora.... Seria o ltimo passo. Enquanto ele fosse capaz de confirmar isso, todas suas

    premonies se tornariam um fato. Confirmar sua suspeita sobre isso ser realidade ou no?

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    39/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 39

    Ento, isso era algo totalmente necessrio. Mesmo se ela decidisse usar a arma que tinha em

    mos...

    Albedo...posso, posso tocar seus peitos?

    H?

    A atmosfera congelou instantaneamente.

    Albedo abriu seus olhos de surpresa.

    At mesmo Momonga ficou embaraado. Embora no tinha como evitar isso, ele tambm no

    entendia porque estava dizendo isso. Realmente, perguntar algo assim com uma voz alta era

    muito vulgar. No, usar sua autoridade como superior para cometer assdio, isso era o fundo

    do poo.

    Mas em sua situao desesperadora, ele tinha que fazer isso.

    Momonga foradamente se convenceu, ele se estabilizou mentalmente e com a dignidade de

    um conquistador disse:

    No deve importar, no ?

    Se sentindo nem um pouco digno.

    Ouvindo o pedido trmulo de Momonga, Albedo parecia que explodiria de alegria.

    claro, Momonga-sama. Por favor, acaricie-os como desejar.

    Albedo colocou para fora seus peitos, seus peitos bem desenvolvidos na frente do Momonga.

    Se ele fosse capaz de engolir sua saliva, ele o teria feito vrias vezes.

    Alcanando com sua mo, ele tocou os peitos coberto pelo traje cerimonial. Havia uma

    anormal sensao de tenso e excitao e em sua cabea ele estava calmamente o observando.

    Pensando que ele era extremamente estpido porque ele pensaria em tal mtodo e colocaria

    em ao.

    Ele sorrateiramente olhou para Albedo e percebeu que seus olhos estavam brilhando, seus

    peitos tambm tinham um tipo de Me come aparncia.

    Incerto sobre se era por causa de sua excitao ou vergonha, as mos de Momonga estavam

    tremendo diante da presso, mas ele se resolveu e estendeu suas mos.

    Momonga primeiro sentiu a superfcie um pouco dura do vestio e ento sentiu algo muito

    macio por baixo.

    Unn... Ahh...

    No momento que Albedo comeou a gemer de leve, Momonga parou seu experimento.

    Levando tudo em conta que sabia, Momonga se deparou com duas possveis explicaes paraessa situao.

  • 7/24/2019 Overlord Volume 1.pdf

    40/217

    OVERLORD [MUNDO DAS NOVELS]

    O V E R L O R D V O L U M E 1 Page 40

    Pirmeiro, isso poderia ser um novo DMMORPG. Significando que com o fim de Yggdrasil, um

    novo Yggdrasil 2 tinha sido lanado.

    Mas depois desse experimento, as chances de isso ser um novo jogo eram inexistentes.

    Porque um jogo proibia aes de 18+, ou at mesmo aes qualificadas como 15+. Assim queacontecesse uma violao uma punio severa seria aplicada: os nomes dos acusados seriam

    anunciados no site oficial e as contas em questo seriam deletadas.

    A razo por de trs dessa atitude era que se os registros dessas aes 18+ viessem a pblico,

    poderiam violar o Decreto de Proteo de Ordem Social. Em geral, o fato deste tipo de

    comportamento ser considerado ilegal no surpreendedor.

    Se isso fosse dentro do mundo de um jogo, a empresa teria colocado alguma forma de

    prevenir jogadores de tais aes. Se um GM ou a empresa estivesse monitorando o jogo, eles

    instantaneamente evitariam esse tipo comportamento. Mas no havia sinais disso

    acontecendo aqui.

    E de acordo com o bsico sobre DMMORPG e leis de computadores, na ausncia de ter obtido

    uma licena, forar jogadores a ficar em um mundo de um jogo classificado como sequestro

    sob a lei de sequestro. Se jogadores fossem forados a jogar a demo de um jogo, esse tipo de

    ao seria avistado instantaneamente por promotores, especialmente se fosse impossvel de

    sair do jogo. No seria surpresa se a empresa fosse sentenciada a priso. Se tal situao

    ocorresse e a desconexo forada falhasse, os jogadores tambm seriam capazes de gravar

    uma semana de jogo com um programa, que era obrigatrio por lei. Com isso voc era capaz

    de facilmente relatar as violaes da empresa. Se Momonga sumisse por uma semana, algum

    de sua empresa notaria algo estranho e mandaria algum para sua casa procurar por ele.

    Enquanto a polcia investigasse a interface dedicada, eles deveriam ser capazes de resolver o

    problema.

    Que tipo de empresa arriscaria ser presa cometendo tal crime? claro, possvel dizer que

    isso era a primeira experincia do jogo, ou dizer que eles atualizaram o jogo. Mas para uma

    empresa de jogos, tomar esse risco no era vantajoso