rio dos sinos

Download rio dos sinos

Post on 25-Jun-2015

181 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Estudos Tecnolgicos - Vol. 5, n 1:101-120 (jan/abr 2009) doi: 10.4013/ete.2009.51.08

ISSN 1808-7310

Panorama do uso, distribuio e contaminao das guas superficiais no Arroio Pampa na bacia do Rio dos SinosOverview of use, distribution and pollution of surface water in Arroio Pampa in Rio dos Sinos BasinCarlos Augusto do NascimentoProfessor do ICET FEEVALE RS 239, 2755 Novo Hamburgo, RS, Brasil, 93352-000 nascimento@feevale.br

Roberto NaimeProfessor do ICET FEEVALE RS 239, 2755 Novo Hamburgo, RS, Brasil, 93352-000 rnaime@feevale.br

ResumoA interveno antrpica nos mananciais hdricos superficiais intensa e decisiva. Em funo da prpria urbanizao, com a produo de efluentes domsticos em grande quantidade, com elevada carga orgnica de poluentes e devido as atividades de industrializao, que produzem efluentes industriais com grande quantidade de metais pesados, o padro de qualidade dos recursos hdricos superficiais se reduz drasticamente. O resultado uma reduo da qualidade de vida das populaes nestas bacias hidrogrficas, que ficam extremamente expostas a aquisio de doenas infecto-contagiosas e exposio a agentes carcinognicos e teratognicos representados pelos metais pesados. Arroios que passam por centros urbanos, via de regra, carregam em suas guas esgoto domstico e efluentes industrias. Embora a legislao ambiental brasileira determine o monitoramento, e a classificao destes corpos hdricos, com na posterior maioria no publicao dos casos de dos isto Novo bairros resultados parte do obtidos, seu

AbstractThe human intervention in surface water fountains is intense and decisive. In light of the urbanization, with the production of household waste in large quantities with high organic load of pollutants and because the activities of industrialization, which produce industrial effluents with high quantity of heavy metals, the standard of quality of the water surface is reduced drastically. The result is a reduction in quality of life in these basins, which are highly exposed to acquisition of infectious diseases and exposure to carcinogenic agents and teratogenics represented by heavy metals. Rivers which pass through urban centres, a rule, carry in their waters domestic sewage and industrial effluents. Although the Brazilian environmental law determines the tracking, and classification of these water bodies, with subsequent publication of the results, in most cases this does not occur effectively. The Arroio Pampa with most of its territory in the municipality of Novo Hamburgo RS Brazil, passing through densely populated neighborhoods, has every domestic sewage disposed of these neighborhoods by its waters, is receiving corps of industrial effluents, and despite having his mouth to approximately 1.5 km from the point of water for consumption of more than 250,000 people, it is typical example of this situation. This paper discusses the panorama of uses, distribution and contamination of surface waters from the focus on studies in Arroio Pampa,

efetivamente no ocorre. O arroio Pampa com a maior territrio RS municpio passa Hamburgo Brasil, por

densamente habitados, tem todo o esgoto domstico destes bairros escoado por suas guas, corpo receptor de efluentes industriais, e apesar de ter sua

Panorama do uso, distribuio e contaminao das guas superficiais no Arroio Pampa na bacia do Rio dos Sinos Carlos Augusto do Nascimento e Roberto Naime

foz a aproximadamente 1,5 km do ponto de captao de gua para o consumo de mais de 250.000 pessoas, exemplo tpico desta situao. Este trabalho discute o panorama dos usos, distribuies e contaminaes das guas superficiais a partir do enfoque em estudos no arroio Pampa, situado na bacia do Rio dos Sinos na regio metropolitana de Porto Alegre. Palavras-chave: hdricos, poluio. guas superficiais, recursos

located in the basin of Rio dos Sinos in the metropolitan area of Porto Alegre.

Key words: surface water, water resources, pollution.

1. IntroduoA gua um bem natural considerada renovvel, mas necessita de uso responsvel e otimizado, que garanta a continuidade do ciclo hidrolgico. A escassez dos recursos hdricos projetado frente ao aumento da populao e a crescente poluio domstica ou industrial determinam a necessidade de monitoramento da qualidade das guas, com a finalidade de propor medidas que auxiliem na melhoria dos mananciais hdricos superficiais e subterrneos. Centros urbanos densamente povoados, geralmente identificados com a ocupao desordenada, impulsionada pela migrao populacional da zona rural, geram conflitos com a gesto hdrica, que resulta em interesse cada vez maior pela abordagem sistmica do gerenciamento da qualidade da gua (Cunha et al., 2005). Este trabalho faz um levantamento bibliogrfico das condies de uso, distribuio e contaminao das guas superficiais em geral, buscando contextualizar a situao em funo de estudos especficos realizados na bacia do Arroio Pampa que um afluente do Rio dos Sinos.

2. Materiais e MtodosEste trabalho realiza uma resenha a partir de um conjunto de levantamentos bibliogrficos dos usos e distribuio da gua no mundo e estabelece um panorama das guas superficiais no mundo, com uma contextualizao a partir do Arroio Pampa, integrante da bacia hidrogrfica do rio dos Sinos. Foram utilizadas pesquisas bibliogrficas, o sistema COMUT das bibliotecas, acessos a Internet em artigos, relatrios e dados de publicaes e legislaes pertinentes aos recursos hdricos superficiais em vigncia no territrio brasileiro.

102Estudos Tecnolgicos - Vol. 5, n 1:101-120 (jan/abr 2009)

Panorama do uso, distribuio e contaminao das guas superficiais no Arroio Pampa na bacia do Rio dos Sinos Carlos Augusto do Nascimento e Roberto Naime

3. Distribuio e usos das guas

A gua cobre mais de 2/3 da superfcie terrestre, enquanto oceanos representam 97,5% deste total, e suas guas classificadas como salinas, portanto imprpria para consumo humano, insumo industrial ou uso agrcola in natura. A dessalinizao operao de alto custo financeiro, tornando momentaneamente invivel sua utilizao em grande escala, embora alguns pases do oriente mdio a faam (Barlow e Clarke, 2003; Noronha et al., 2006; Tucci et al., 1997). Apesar de ser pequena a parcela de ocorrncia de gua doce superficial, nela que vive 41% de todas as espcies de peixes (Barlow e Clarke, 2003), o que demonstra a importncia da preservao da qualidade da gua superficial, no s pela preservao da espcie humana, mas para a sobrevivncia de muitas formas de vida. A distribuio da gua no planeta, conforme suas caractersticas e o espao onde est armazenada apresentada na Figura 1.

Figura 1: Distribuio da gua no mundo por caractersticas e sua localizao no espao. Fonte: Noronha et al. (2006).

A quantidade de gua superficial e de fcil acesso de 0,27%, e est distribuda entre rios, charcos, pntano e arroios. A gua doce ainda encontrada nas geleiras e lenis polares, assim como na atmosfera (Noronha et al., 2006; Tucci et al., 1997; Braga et al., 2006). Os elementos qumicos encontrados no meio ambiente sofrem constantes modificaes envolvendo atividades biolgicas, qumicas e fenmenos geolgicos, denominados ciclos biogeoqumicos, entre eles est a gua e seu ciclo (Branco e Murgel, 1997). A gua na forma gasosa, quando em grande quantidade na atmosfera, ao sofrer resfriamento condensa-se, formando nuvens e conseqentemente a precipitao na forma de chuvas. Este sistema propicia grande mobilidade, fazendo com que uma nuvem formada em determinada regio, em funo dos ventos, pode precipitar na forma de chuva em local distante.

103Estudos Tecnolgicos - Vol. 5, n 1:101-120 (jan/abr 2009)

Panorama do uso, distribuio e contaminao das guas superficiais no Arroio Pampa na bacia do Rio dos Sinos Carlos Augusto do Nascimento e Roberto Naime

Estas propriedades no garantem disponibilidade de gua em todas as regies do planeta, pois sua ocorrncia irregular temporal e espacialmente, sofrendo muita influncia de ciclos climticos. A circulao da gua entre a superfcie terrestre e a atmosfera, ocorre em dois sentidos, no sentido superfcie atmosfera, fundamentalmente na forma de vapor, e no sentido atmosfera superfcie, fundamentalmente na forma de chuva e neve (Tucci et al., 1997). O ciclo hidrolgico representado na Figura 2 o fenmeno da mudana de estado fsico da gua entre a superfcie terrestre e a atmosfera em ciclo fechado a nvel global, tendo o sol como fonte de energia, associado gravidade e a rotao terrestre (Tucci et al., 1997).

Figura 2: Representao do ciclo hidrolgico. Fonte: Universidade da gua (2007).

Os oceanos por constiturem a maior poro de gua, propiciam a maior parte da evaporao da gua para a atmosfera. Rios, lagos e solos tambm contribuem para este processo, assim como os vegetais, que atravs da transpirao de suas folhas, que com rea muito superior a do solo, desempenha importante papel neste ciclo. A soma destes fenmenos denomina-se evapotranspirao (Pinto et al., 2003). Segundo Barlow e Clarke (2003), na pennsula rabe a retirada de gua do subsolo quase trs vezes maior que o reabastecimento. Na China, um declnio abrupto inesperado no suprimento de gua para a agricultura, pode levar escassez de gros, porque a gua que antes era usada na produo de alimentos est sendo transferida do uso agrcola para suprir as necessidades de abastecimento dos centros urbanos e das indstrias. Isto ocorre porque com a mesma quantidade de gua usada, a indstria gera 60 vezes mais recursos financeiros. O Brasil, pas privilegiado em recursos hdricos, apresenta o maior fluxo interno de recursos hdricos do mundo com 177.900 m s-1 e possui 12% da gua doce disponvel no planeta (Noronha et al., 2006). Na Figura 3, apresentada a disponibilidade hdrica por habitante no territrio brasileiro. 104Estudos Tecnolgicos - Vol. 5, n 1:101-120 (jan/abr 2009)

Panorama do uso, distribuio e contaminao das guas supe

Recommended

View more >